Domingo, 19 de novembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1484
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para Consumo

10/11/2017 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - SOMOS TODOS IGUAIS - Sim ou não? Quer parecer que sim. Mas não é assim que muitos se julgam. Há aqueles que se julgam ser mais, não se sabe por que cargas d'água. Talvez, pelas posses, mas quase nunca pelo cabedal cultural ou por serviços prestados. Não existem parâmetros para qualificar a importância social das pessoas. Por isso, usam-se parâmetros a gosto. Status não quer dizer estar acima dos outros. Não significa ser mais importante do que os mais modestos. Perante a lei e perante Deus somos todos iguais. Ou já ouviram dizer que alguém foi discriminado diante de Deus? Diante da lei, sim. Infelizmente. Os homens também discriminam e como discriminam aqueles que têm menor poder aquisitivo. Para muitos, a diferença quem faz é o poder aquisitivo e o visual. Todo santo dia a gente assiste isso, os cidadãos batem palmas para quem está no poder, para quem está no comando, para quem faz sucesso, para quem extrapola. Cobrar igualdade é uma missão, portanto, insana. 

OS TAIS DE PONTOS FACULTATIVOS - Chamou muita atenção a folga de 5 dias do Supremo Tribunal Federal, na semana passada. Aliás, é muito feriado e o feriado, muitas vezes, acaba em feriadão. Está na hora, passando da hora, de terminar com o tal de ponto facultativo. É um câncer da administração pública. O feriadão de 5 dias também foi adotado pelo 4° TRF. Se a moda pegar. 

ASSUNTO MAL RESOLVIDO - O dos descartes. Está em discussão o eterno problema dos descartes. De quem é a responsabilidade? Do cidadão? Da municipalidade? De ninguém? O assunto, convenhamos, está mal resolvido. Só está resolvido o problema dos descartes domésticos, cuja coleta é terceirizada. Dos demais descartes, que se aproximam de uma dezena, pouco ou nada está legislado e resolvido. Por isso, tanta reclamação quanto aos descartes de galhos e outros lixos abandonados e sujeiras nas vias públicas de Três de Maio. Os responsáveis - Câmara de Vereadores e administração municipal - têm um insano trabalho pela frente. 

TRITURADOR DE GALHOS É A SOLUÇÃO? -  Não. Apenas resolve o problema do irresponsável descarte dos galhos. Existem muitos outros descartes, muitos deles, também irresponsáveis. Se a municipalidade chamar para si a responsabilizar a moeção de galhos, vai haver muita dor de cabeça, porque haverá abusos e mais abusos. Isso precisa ser bem regulamentado, para que a orgia de depósito de galhos e sujeiras nas ruas e calçadas acabe, para que tenhamos uma cidade mais limpa. 

COMO VOU SOBREVIVER?  - Uma ministra dos Direitos Humanos fez uma colocação hilariante, quando se referiu aos seus salários, aos seus vencimentos. Achou pouco ganhar R$ 33 mil reais e abriu a boca e disse essa bobagem: "COMO VOU COMER, BEBER E CALÇAR"? Quer dizer, o trabalhador precisa sobreviver com R$ 965,00 reais de mínimo no ano que vem e esta senhora se queixa desse salário de nababo. Caramba! A ministra queria mais de R$ 60 mil reais para sobreviver. 

ORÇAMENTO RESPONSÁVEL - As administrações públicas discutem todos os anos, no final do exercício, o orçamento para o ano seguinte. Não deve ser apenas um procedimento legal, mas responsável, porque não se pode gastar mais do que se arrecada. E as ações precisam ser bem pensadas pelos responsáveis: prefeitos, governadores e a equipe responsável pelo orçamento da União. O dinheiro, que anda escasso, precisa ser bem gasto. A comunidade deveria participar desta discussão. Mas a comunidade nem se liga. Mas depois reclama. 

MUITOS TRESMAIENSES ESTÃO BRINCANDO SOBRE O TEMPO DESTE ANO, LEMBRANDO QUE FAZIA 10 ANOS QUE NÃO HOUVE MAIS TEMPORAL, EM TRÊS DE MAIO, E AGORA EM UMA SEMANA ACONTECERAM DOIS TEMPORAIS. QUE COISA! 

MOTIVO DE IRRITAÇÃO - Em meados da década de 1960, este colunista teve motivo para forte irritação, quando lá no fundo do bairro São Francisco, foi arrancado um parreiral de 4 hectares, para plantar trigo. Lá numa cantina se bebia um bom vinho. A propriedade era da família Bombardelli. O ex-aluno do colunista, responsável pela destruição do parreiral, está em Toledo, como soube. A cantina também veio abaixo. Uma pena! Mais irritação.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/11/2017   |
03/11/2017   |
27/10/2017   |
20/10/2017   |
13/10/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS