Terça-feira, 16 de outubro de 2018
Ano XXX - Edição 1529
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Brasileiros são os mais conectados com colegas de trabalho nas redes sociais

28/09/2018 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Pesquisa realizada pela Randstad indica também que amizade virtual com o chefe é menos frequente no País
Os brasileiros gostam de se conectar com colegas de trabalho nas redes sociais pessoais. Pesquisa da Randstad, líder global em soluções de recursos humanos, mostra que 86% dos profissionais estão conectados com os amigos do escritório em plataformas como Facebook e Instagram.
"Sabemos que o povo brasileiro é caloroso e faz amizade com facilidade, mas o índice nos surpreendeu, já que o Brasil ficou em primeiro lugar em um ranking de 33 países analisados, empatado com a Índia", comenta Juliana Palermo, head de marketing da Randstad e especialista em marketing pessoal. De acordo com o relatório, o país que menos se conecta com as pessoas do escritório é o Japão, com 19%.
 Já quando o assunto é amizade virtual com o chefe, os brasileiros não se empolgam tanto: apenas 58% afirmam ter o gestor direto como contato nas mídias sociais. "Os profissionais ainda têm receio de expor a vida pessoal para o chefe ou até mesmo algo que possa prejudicar sua carreira", explica Juliana. Na Índia, primeira colocada também nesse quesito, 67% dos entrevistados têm conexão com o chefe, enquanto o Japão manteve a posição de país mais conservador, com apenas 10% dos trabalhadores amigos dos gestores nas plataformas digitais.

Etiqueta na internet
Para Juliana, os dados reforçam o cuidado que os profissionais devem ter ao publicar em seus perfis pessoais nas redes sociais. "Já é sabido que determinadas fotos e opiniões extremistas podem prejudicar candidatos em processo seletivo, mas também é preciso ter atenção ao comportamento online para não sofrer consequências no emprego atual ou até mesmo em projetos específicos", diz a especialista, lembrando casos recentes de profissionais demitidos por postagens inadequadas nas redes sociais durante a Copa do Mundo. Vale lembrar que o impacto também é válido para trabalhadores autônomos, a exemplo de um youtuber famoso, que fez um comentário racista em seu canal e acabou perdendo contratos com grandes marcas.
Postagens polêmicas, contrárias aos valores da companhia ou preconceituosas podem  ter um efeito muito negativo ao profissional dentro da empresa. "Mesmo que você não adicione seus chefes nas redes sociais, estamos todos conectados em algum grau e, se seus amigos disseminarem a mensagem, ela certamente chegará a um cliente ou a alguém da sua empresa. Por isso é preciso ter bom senso nas redes sociais. Não poste nada que não teria coragem de dizer pessoalmente", finaliza Juliana.  

Fonte: JeffreyGroup Brasil - randstad@jeffreygroup.com



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

11/10/2018   |
05/10/2018   |
21/09/2018   |
14/09/2018   |
06/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS