Quinta-feira, 12 de dezembro de 2019
Ano XXXI - Edição 1586
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

31/05/2019 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - COMPORTAMENTO - Quem não gosta de gente bem comportada? O bom comportamento não cai do céu e não nasce em solo estéril. Ele nasce no solo fértil das boas famílias, das famílias bem constituídas. O bom comportamento das pessoas se constitui de respeito ao próximo. Os professores querem bom comportamento dos alunos nas aulas. Os religiosos desejam bom comportamento dos fiéis. As autoridades policiais do trânsito querem o bom comportamento dos motoristas que transitam pelas nossas rodovias. E não pensem que as pessoas comportadas surjam do nada. E cada vez mais o bom comportamento dos cidadãos está em concordata. Nem os presidiários se respeitam e se matam no xilindró. Os pais das boas famílias ministram o bom comportamento nos lares bem constituídos. 

VAMOS TERMINAR COM A PICARETAGEM - Temos que acabar de uma vez por todas com as picaretagens. Elas existem de monte por toda parte, por todo país, em todos os Estados, em todas as cidades e até nas pequenas cidades. Há exércitos de gente que quer ganhar fácil no lombo dos outros. E isso, logicamente, é contra os princípios das pessoas honestas, que ainda existe em grande quantidade. Só uma que aconteceu por cá: empresas fajutas organizando formaturas, cobrando os custos com antecedência e na hora da formatura aludidas empresas sumiram, levando o dinheiro. Uma entre tantas falcatruas do nosso tempo.

VAI DAR BAFAFÁ - A discussão e votação do projeto de lei que proíbe fogos de artifício barulhentos vai dar bafafá. Muitos torcem pela aprovação da matéria, porque vai beneficiar crianças, idosos, doentes e também animais. Os cães sofrem muito com fogos barulhentos. A aprovação da matéria, contudo, não é tranquila, porque fere interesses econômicos dos que comercializam os artefatos. Claro que existem os que são a favor e os que são contra. Por isso, a matéria precisa debater bem as opções, respeitando os interesses em torno da matéria. A verdade é que está havendo muito barulho prejudicando a comunidade.

POUCO OU NADA SE FAZ - Muitas palestras ultimamente por estes lados, mas nada referente à necessidade da diversificação da produção e muito menos sobre a necessidade de industrialização de produtos da região. Os técnicos da região precisam dar-se as mãos para mudar a nossa mentalidade pacata em torno do setor primário. Muitos produtores rurais estão deixando suas propriedades no interior e vêm descansar na cidade. E pouco ou nada se faz para fazer frente a isso. É preciso enfrentar este novo ciclo da agropecuária regional. Quem sabe implantar a diversificação e proporcionar melhores ganhos para os produtores rurais. 

PARECE QUE O POVO FINALMENTE ENTENDEU QUE É PRECISO MENOS POLITICAGEM E MAIS AMOR À PÁTRIA. 
FRONTEIRA OESTE - Quando a gente se refere à Fronteira Oeste logo vem à mente à produção de gado e arroz nas regiões mais úmidas. Mas houve quem entendesse que naquela região também era possível produzir uvas viníferas e vinho e apostasse na plantação de oliveiras, visando a produção de azeite de oliva. E não é que está dando certo? Por que achar que em Três de Maio não dá uvas, ou outras culturas, aumentando o leque da produção primária? E nossos produtores de vinho aqui da terra vão buscar uvas lá fora.

MUNICÍPIO-MODELO - Carlos Barbosa que conheci, há 5 anos atrás, é realmente um município-modelo, na Serra Gaúcha, sobretudo, por causa de duas empresas centenárias - a Tramontina e a Cooperativa Santa Clara. A Tramontina tem oito indústrias espalhadas pelo País, oferecendo 8 mil empregos e um faturamento de 100 bilhões neste ano. A empresa estipulou crescimento de 17% e apenas no quinto mês do ano já foram atingidos 15% do previsto. A Cooperativa Santa Clara tem cerca de 115 anos de existência, voltada para a produção de leite e a industrialização do leite produzido no município de Carlos Barbosa e municípios vizinhos. Aquele município não é maior do que Três de Maio e, no entanto, tem esta potencialidade, graças ao investimento em tempos idos no setor industrial, graças aos antepassados da Família Tramontina, com larga visão.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

29/11/2019   |
22/11/2019   |
14/11/2019   |
08/11/2019   |
01/11/2019   |
25/10/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS