Quarta-feira, 21 de agosto de 2019
Ano XXXI - Edição 1571
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Município de Três de Maio assina compromisso de adesão ao movimento mundial Eles Por Elas

28/06/2019 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Três de Maio terá 'Programa de Prevenção e Reeducação dos Meninos e Homens'
No município são realizados em média 150 procedimentos mensais - de situações de violência doméstica -, pela equipe técnica do Centro de Referência Flor de Liz. Neste sentido, a Secretaria de Políticas da Mulher está elaborando programa e vai buscar parcerias com instituições, empresas, igrejas e escolas para a eliminação 
de todas as formas de discriminação e da violência contra as meninas e mulheres

Os números são alarmantes: nos últimos 12 meses, 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil, enquanto 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. Entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico. Após sofrer uma violência, mais da metade das mulheres (52%) não denunciou o agressor ou procurou ajuda, conforme dados do Datafolha, em pesquisa encomendada pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
O Brasil é o quinto país com maior número de feminicídios, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. "Esse tema é essencial e precisa de atenção, não só do Poder Público, mas de toda a sociedade. Por isso a importância de ações no sentido de ampliar cada vez mais os mecanismos de proteção às mulheres", diz a secretária Márcia Herbertz, da Secretaria Municipal de Políticas da Mulher de Três de Maio (SMPM).
Ontem, dia 27, o Governo Municipal de Três de Maio e a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul assinaram o compromisso de adesão ao movimento mundial HeForShe (Eles por Elas), em ato realizado na Câmara Municipal de Vereadores. Segundo Márcia, o Movimento Mundial da ONU Mulheres, Eles por Elas é um esforço global criado em 2014 para difundir a conscientização e promover a responsabilidade de homens e meninos para a eliminação de todas as formas de discriminação e da violência contra as mulheres e meninas. 
O Comitê Gaúcho Eles Por Elas é coordenado pelo deputado estadual Edegar Pretto (PT) e foi o primeiro do Estado do país a aderir ao movimento, em 2015. O parlamentar esteve presente ao evento, na tarde de ontem. A programação foi promovida pelo Governo Municipal de Três Maio, Secretaria Municipal de Políticas da Mulher, Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e Assembleia Legislativa do RS.

ONDE BUSCAR AJUDA
Em Três de Maio, a mulher vítima de violência pode se dirigir ao Centro Flor de Liz, na Avenida Uruguai, 644, ou ligar para o telefone 55 3535-3900; e na Secretaria de Políticas da Mulher, pelo fone 3535-8770. A denúncia também pode ser feita à Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180, que é uma ligação gratuita e confidencial que funciona 24 horas por dia em todo o Brasil.
Também pode ligar para a Brigada Militar pelo fone 190.


Programa vai trabalhar com o agressor: 'se são os homens que agridem e matam, é com eles que precisamos conversar', diz a secretária Márcia Herbertz
Conforme Márcia, além do município aderir ao Eles Por Elas, será criado também, o "Programa de Prevenção e Reeducação dos Meninos e Homens", estabelecendo parcerias com instituições locais, empresas, igrejas e escolas para a eliminação de todas as formas de discriminação e da violência contra as mulheres e meninas, buscando apoiar e fortalecer assim o trabalho já existente no Fórum local. "O principal objetivo é a prevenção e o esclarecimento de toda a população das consequências da violência para toda a família, não só para um ou para outro. A violência prejudica principalmente as crianças e adolescentes que ainda estão em fase de formação", adverte. 
No Município, a Secretaria da Mulher quer contar com as instituições que compõe a Rede de Proteção e o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, para propor ações de prevenção à violência doméstica e, principalmente, contar com a atuação de homens como multiplicadores de uma cultura de paz, fortalecendo os vínculos familiares e promovendo a mudança cultural para superação da intolerância, do preconceito e sobretudo das diversas formas de violência e sofrimentos.

Atuação será através de reuniões, seminários, palestras e ações diretas de grupos de trabalho com homens agressores e mulheres vítimas de violência doméstica
Márcia aborda os números da violência contra a mulher no Rio Grande do Sul. "Nos últimos quatro anos, o Estado registrou o assassinato de 356 mulheres, vítimas de feminicídio. A média é uma mulher morta a cada quatro dias em crimes cometidos por parceiro ou ex-parceiro. No mesmo período foram registrados 6.149 estupros, média de quatro por dia. Já o número de agressões com lesão no período foi de 87.480, média de 59 mulheres por dia", informa, dizendo que os dados são da Secretaria de Segurança Pública do RS, em balanço feito pelo Comitê Gaúcho Eles Por Elas, da ONU Mulheres. 
Portanto, de acordo com a secretária, o programa atua para alertar a população a respeito dos índices alarmantes de violência contra as mulheres no Estado e no município. "O problema não está numa classe. Está em toda a sociedade, e o foco principal é conversar com os homens. Se são os homens que agridem e matam, é com eles que precisamos conversar."
Ela adianta que várias serão as formas de atuação do programa: como reuniões, seminários, palestras em empresas, para pais nas escolas e ações diretas de grupos de trabalho com homens agressores e mulheres vítimas de violência doméstica. "A cultura machista precisa ser interrompida, e a denúncia é um elemento importante, pois ela protege a mulher contra seu agressor." 
A cada mês, uma média de 150 atendimentos
Em Três de Maio, o Centro de Referência Flor de Liz atende as mulheres através da equipe técnica formada por psicóloga, assistente social e advogada. Já os homens agressores são encaminhados pela juíza da Comarca de Três de Maio, Dra. Eliane Rezende para atendimento junto ao Fórum por psicólogas da Faculdade Setrem.    
Conforme Márcia, no Centro de Referência Flor de Liz, a cada mês, são em média 150  atendimentos a mulheres em situações de violência doméstica. "Além destes, são diversos encaminhamentos para Secretaria de Saúde, IML, Secretaria da Educação, Polícia Civil, Brigada Militar, Conselho Tutelar; para os programas da Secretaria de  Desenvolvimento Social (Cras/Creas) e para a Secretaria de Políticas da Mulher com o objetivo de incluir essas mulheres em cursos, formação de grupos de reflexão e para atividades de geração de renda buscando a autonomia financeira e a emancipação", conclui. 
Segundo dados do Presídio Estadual de Santo Cristo, dos 40 apenados de Três de Maio que se encontram detidos naquele local, pelo menos 15 estão cumprindo pena em consequência da Lei Maria da Penha.

Assinatura do termo de adesão entre Município e Assembleia Legislativa do RS ocorreu ontem à tarde, na Câmara de Vereadores

Márcia Herbertz, secretária municipal de Políticas da Mulher de Três de Maio (SMPM)

'No Município, queremos contar com a atuação 
de homens como multiplicadores de uma cultura de paz, 
fortalecendo os 
vínculos familiares e promovendo a mudança cultural para superação da intolerância, do 
preconceito e, sobretudo, das diversas formas de violência e sofrimento',
Afirma a secretária 
Márcia Herbertz




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

16/08/2019   |
16/08/2019   |
16/08/2019   |
09/08/2019   |
02/08/2019   |
02/08/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS