Domingo, 8 de dezembro de 2019
Ano XXXI - Edição 1586
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

14/11/2019 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - EQUILÍBRIO - Na vida é preciso ter. É preciso ter equilíbrio o tempo todo. Seja quem for. Não importa se for pai de família, religioso, autoridade policial, governante. O equilíbrio não pode faltar. Sem ele, sem o equilíbrio, não se vai a lugar algum. Todos cobram e exigem todo dia que se tenha muito equilíbrio nas ações e nas atitudes. Sem equilíbrio, perde-se o respeito e a credibilidade. Fique, pois, sempre atento o tempo todo e mostre que você é equilibrado em tudo o que faz. E assim, só assim as suas atitudes e suas iniciativas serão bem aceitas. Não custa ser equilibrado. Basta boa vontade e conscientização. Quem duvida, faça a experiência e verá os resultados positivos. Ninguém gosta de desequilibrados. Já deve ter notado isso.

TRÊS ANOS DEPOIS - Depois de três anos, sete interessados apareceram para instalar-se na Área Industrial II, que foi inaugurada, em 2016. Menos mal. Eram 43 lotes disponíveis. Ainda continuam disponíveis 36 lotes. De duas uma, ou Três de Maio cresceu pouco nesses últimos três anos, ou houve pouco empenho para ocupar aquela área.

"O SILÊNCIO É UM AMIGO QUE NUNCA TRAI." Quem dizia isso, 25 séculos atrás, foi Confúcio. E continua valendo em nossos dias.

EM BOCA FECHADA NÃO ENTRA MOSCA. Por isso, quem fala muito, pode engolir muita mosca.

ESTÁ TUDO DIFERENTE - Os tempos mudaram. Lá atrás, não havia dinheiro para nada. Você queria um carro? Tinha que comprar com teu dinheiro. Você queria uma casa? Tinha que adquiri-la com seu dinheiro. Isso aconteceu exatamente assim com este colunista, que comprou na bucha a primeira casa, ainda antes de casar. A primeira condução, uma Vespa usada, foi adquirida com o dinheirinho economizado. Assim também aconteceu com o primeiro automóvel - um Fusca importado. Tudo porque não havia dinheiro, na década de 1960, nas casas bancárias e nem financiamento nas empresas. Não acredita? Então, vá perguntando aos mais antigos.

O MEIO É PREFERÍVEL - Fala-se o tempo todo de governo de direita, governo de esquerda. A tese, tanto da direita, quanto da esquerda, tem o apoio de milhares de cidadãos. E o pior é que os defensores de sua tese brigam com unhas e dentes pela implantação de sua ideologia nas governanças. Praticamente não há defensores de governanças nem de direita, nem de esquerda, mas do meio. Governos, digamos, nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Já não perceberam pessoas que querem a paz, o bem e a tranquilidade? São pessoas que odeiam a bagunça e a truculência e não aceitam o que se passa na Venezuela, em Cuba e outros modelos que semeiam o ódio e a discórdia.

QUE TAL A PRAÇA? - Será que vale a pena investir dinheiro grosso na reforma da Praça Henrique Becker Filho? Muitos entendem que não. Outros que sim. Alguém até achou que teria sido bem melhor "dar uma pintura no Palácio Municipal." Evidentemente, cada administrador faz as coisas do seu jeito. Se ouvisse o povo, muitas coisas seriam evitadas. Este colunista é a favor de projetos que trazem retorno, como reais para os cofres municipais e oportunidades de emprego. Pouco se faz pela cultura do povo.

CAI VENDA DE MÁQUINAS - Estamos em plena safra do trigo e no plantio da soja. Entretanto, no mês de outubro, a venda de máquinas agrícolas e rodoviárias caiu 15% e 6,3% no ano. Isso teria a ver com a indefinição das políticas de crédito, nos meses de abril, maio e junho. O clima também não foi favorável durante a Primavera com muita chuva e enchentes, atingindo muitos municípios da Fronteira, do Sul do Estado e municípios do Vale do Caí e Taquari.

CONFUSÕES NA VIZINHANÇA - Há muita confusão aí do lado, no Chile, onde já morreram mais de 20 pessoas, mas últimas três semanas. Os protestos já obrigaram o presidente Pinera a trocar oito ministros e realizar reformas para reduzir a desigualdade social. As confusões, promovidas, sobretudo, por estudantes seriam em função do fracasso do sistema previdenciário e o alto custo dos medicamentos para uma população cada vez mais idosa. As confusões na Bolívia tendem a amenizar após a decisão do ex-presidente de deixar o governo e o país. Longe de nós as confusões por motivos ideológicos. Queremos paz e progresso no Brasil, sem confusões de fanáticos.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

29/11/2019   |
22/11/2019   |
08/11/2019   |
01/11/2019   |
25/10/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS