Domingo, 15 de setembro de 2019
Ano XXXI - Edição 1574
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A Coluna do J

03/06/2013 - Por J Moraes
Tweet Compartilhar
GRADATIVAMENTE Três de Maio vai se transformando em um polo microrregional. A população da região tem acorrido ao município para comprar, para vender e para tratamento da saúde, etc. O munícipio é referência na área da saúde, mas também vem se tornando um centro comercial regional. Para comprovar isso é só conversar com qualquer empresário.

ATENTOS a esse fato, empresários de praticamente todos os setores estão aportando no município. Os investimentos vão desde lojas de agropecuária, passando por lojas de materiais de construção, eletrodomésticos e de confecções. Nos últimos tempos é difícil passar uma semana sem a abertura de um novo estabelecimento.

A VIOLÊNCIA aumenta cada vez mais. Praticamente todo o dia temos notícias de assaltos à mão armada em estabelecimentos comerciais. Alguns estabelecimentos de pequeno e médio porte já foram assaltados várias vezes. O principal motivo dessa escalada da violência, sem dúvida é a falta de policiamento. O efetivo da polícia militar está totalmente defasado. Em consequência, a população está desprotegida e desarmada.

MESMO com um salário defasado os policias fazem o que podem. Mas é humanamente impossível, com o efetivo disponível, estar em todos os lugares. O governo do Estado diz que não tem dinheiro para pagar melhor, e muito menos para aumentar o efetivo conforme a necessidade. Com se vê, estamos num beco sem saída. Temos que nos acostumar com as notícias de assaltos, arrombamentos e assassinatos rezando para não ser a próxima vítima.

AÍ CABE A PERGUNTA:
Onde vão parar o bilhões de reais arrecadados por uma das maiores cargas tributárias do planeta? Não tem dinheiro para educação, para a saúde, para estradas e não tem dinheiro para segurança. Para onde vão 1,5 trilhão de reais arrecadados por ano em impostos? É como diz aquela música da saudosa dupla sertaneja Tião Carreiro e Pardinho "a coisa tá feia, a coisa tá preta".

PASSADOS MAIS DE UM MÊS da mobilização das associações comercias das regiões Noroeste e Missões por melhorias na malha viária, até agora nada foi feito. O diretor do Daer esteve na região, ouviu prefeitos e lideranças, mas de concreto até agora nada. Se a região não mantiver a mobilização, corre o risco de ficar o dito pelo não dito. Menos mal que os prefeitos parecem que continuam mobilizados.

CONFUSÃO JUDICIAL: Depois de determinar a realização de eleição suplementar em Crissiumal, a Justiça Eleitoral voltou atrás e suspendeu a eleição, autorizando o retorno do prefeito e do vice aos seus cargos. Até o julgamento do STF em Brasília os dois permanecerão nos cargos. No mínimo houve precipitação do TRE uma vez que os candidatos já estavam definidos, e nova eleição com data marcada.

POR FALAR em Crissiumal, o município parece estar no olho do furacão. Nos últimos tempos, o vizinho município tem ocupado as manchetes pelo lado negativo, ou seja, nas páginas policiais. Com certeza a população ordeira e trabalhadora, da cidade "Sorriso da Região Celeiro" não merece isso.

UM ABRAÇO, uma boa pescaria, curtindo Zé Ramalho e Fagner.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

23/12/2016   |
16/12/2016   |
12/12/2016   |
02/12/2016   |
25/11/2016   |
18/11/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS