Quarta-feira, 26 de abril de 2017
Ano XXIX - Edição 1454
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Os entrevistados desta edção foram Aline Francieli Griebler e Marcio Andre Ohlweiler

27/07/2012 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
Depois de uma temporada de um ano na cidade do Porto - Portugal, o casal Aline Francieli Griebler e Marcio Andre Ohlweiler desembarcaram dia 18, no aeroporto Salgado Filho- Poa., e agora estão de volta a terrinha. A temporada em Portugal foi de estudo, trabalho, lazer e muitos passeios. No passaporte o carimbo de mais de 10 países que o casal visitou. Ela cursou por um ano a Faculdade de Psicologia, ele, fez curso na Cruz Vermelha Internacional. Confira!

Márcio:

Diferente da Aline, que tinha o propósito de cursar um ano de psicologia em Portugal,
qual o motivo que levou você a outro país?
Aproveitando a oportunidade de acompanhar a Aline, vi nessa viagem uma possibilidade de conhecer novos países e realizar cursos profissionalizantes, como também, trabalhar para me manter e claro, juntar umas economias.

Fale um pouco desse período em Porto. O que agregou em sua vida?
Durante o período em que estive em Portugal adquiri vários conhecimentos e experiências profissionais, iniciei um novo momento em minha vida, onde tive também a oportunidade de viajar por muitos países, o que possibilitou um choque cultural que me fez repensar crenças e valores e que resultou num crescimento pessoal significativo, modificando assim a minha visão diante das dificuldades, das pessoas e principalmente das relações.

Quanto ao Curso da Cruz Vermelha Internacional,  em que ele habilita você?
Em Portugal realizei  na Cruz Vermelha o curso de TAT (Tripulantes de Ambulância de Transporte), que me habilitou para trabalhar em ambulâncias, inclusive do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica). Participei também de diversos projetos nacionais de voluntariado, como "Alimentação Saudável", "Copos, quem decide és tu", e outras campanhas.

Tempo atrás muitos brasileiros encaravam outros países com um firme propósito
de juntar algumas economias. A viabilidade continua?

Apesar do que muito se ouve nos noticiários em relação à crise na Europa, ainda encontra-se muitas oportunidades de aperfeiçoamento e crescimento profissional. No caso de Portugal, observou-se que o custo de vida é menor em relação à realidade brasileira, principalmente no que se refere a custos de alimentação e vestimenta. O salário ainda compensa principalmente pelo câmbio da moeda, pois mesmo não estando com a mesma diferença de tempos atrás, ainda compensa.

O que de melhor você pode destacar de Portugal, em especial da cidade em que você ficou?
Portugal é diferente de outros países da Europa, principalmente do leste europeu, pois tem um povo muito acolhedor. Criei verdadeiros laços de amizade, hoje tenho amigos que nem sabem onde eu moro e nem o que eu tenho ou deixo de ter e preocupam-se comigo, pois isso é o que realmente importa em uma amizade. Em relação a infraestrutura, estradas e transportes são todos de excelente qualidade e ligam não só todos os pontos da cidade, como do país. Especificamente o Porto é uma cidade encantadora, com muitos pontos turísticos que nos fazem lembrar a importante história daquele país. É uma cidade que oferece diversas opções de entretenimento; lá vive-se a história, a cultura e a modernidade constantemente enquanto passeia-se pela cidade.

Qual foi a maior dificuldade?
Acredito que a questão cultural é o mais impactante, mesmo estando em um país com o mesmo idioma, muitas vezes parece que não estamos falando o mesmo português. Chegar numa cidade "desconhecida", repleta de desafios, de rostos "estranhos", "aprender" literalmente a utilizar os transportes públicos e adaptar-se a novos hábitos alimentares são as principais dificuldades.

Pretende retornar para Portugal?
Sim. É apenas uma questão de tempo, só tenho a agradecer, pois tive muita sorte e conheci pessoas maravilhosas, fiz amizades para toda a vida e as portas continuam abertas para quando eu decidir voltar.


Aline:

O que levou você a cursar um ano de psicologia na faculdade em Porto?

A necessidade de aprofundar e obter novos conhecimentos, cursar matérias específicas na área clínica, ainda na licenciatura, como também poder conhecer o trabalho da psicologia na Europa e interagir com novas teorias e formas de pensar. Acredito que essa troca é fundamental e nos auxilia na construção do conhecimento.

Quais os pontos fortes da universidade que você estudou?
A Universidade do Porto é referência entre universidades da Europa e do mundo. É uma universidade que investe em diferentes convênios com outras universidades e incentiva os alunos com bolsas e auxílio para que possam ter a oportunidade de frequentar um período de mobilidade no exterior, frisada pelo reitor da mesma em uma entrevista recente a um jornal local onde afirma a importância e amadurecimento dos alunos que tem essa oportunidade. Profissionais de qualidade, especialistas no seu campo de atuação, muitos deles referência nacional na área é um fator fundamental na minha opinião e um investimento constante da universidade.

Que países vocês conheceram?

Fomos à Espanha, Itália, França, Inglaterra, Irlanda e Marrocos. Posteriormente, com algumas colegas, tive a oportunidade de ir também a Polônia, Hungria, Eslováquia, Áustria, República Tcheca, Holanda e Bélgica.

Como os brasileiros são tratados em Portugal? Como acontece o controle de migração?

De modo geral, os portugueses gostam muito dos brasileiros e, é um povo bastante acolhedor. Na imigração não tivemos dificuldades, no meu caso apenas foi verificado o visto de estudos em Madri, por onde cheguei, de Madri a Portugal devido ao acordo Schengen é considerado voo interno, não necessitando novamente de passagem imigratória.

Quais as dicas para quem pretender ir a outros países, seja a trabalho, estudo ou lazer?
No caso de estudo e trabalho o mais importante é ter "os pés no chão", ou seja, saber o que se quer e estar consciente de que haverá dificuldades, mas com tranquilidade e força de vontade é possível ultrapassá-las.Ter um local para ficar pelo menos por algumas semanas também é fundamental, existem muitos anúncios em sites seguros, onde se pode entrar em contato com os proprietários de casas, apartamentos e/ou casas de estudantes.
Para quem vai estudar ou trabalhar e já tiver um contrato de trabalho é importante procurar o Consulado Português para encaminhar o visto ainda no Brasil. Em Portugal, o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) não legaliza as pessoas que chegam sem visto do Brasil para frequentar alguns cursos, como por exemplo, de línguas.
Em caso de viagem, para os aventureiros que adoram viajar de mochila nas costas a dica mais importante é pesquisar sobre o país que pretendem visitar, como cultura, costumes, idioma, como funcionam os transportes, quais os pontos turísticos que pretendem conhecer. Ou seja, um resumo do que se pretende fazer e claro, sempre procure ter uma pousada ou hotel reservado para a chegada.
Como já dizia M. Quintana, "Viajar é trocar a roupa da alma". Boa Viagem!




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

20/04/2017   |
13/04/2017   |
07/04/2017   |
31/03/2017   |
24/03/2017   |
17/03/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS