Domingo, 23 de setembro de 2018
Ano XXX - Edição 1525
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Ótima opção para rotação de culturas no período de inverno

05/08/2013 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Além da rentabilidade econômica, canola possui mercado em expansão com aumento da demanda pelo produto em virtude da utilização para biocombustível e óleo vegetal

A cultura da canola teve um avanço na área plantada no Estado de 13,65% sobre a de 2012, aponta o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar divulgado recentemente. A área estimada ficou em 27.982 hectares e a produtividade esperada inicialmente é de 1.287 quilos por hectare.

Segundo a Emater RS, essa estimativa indica uma produção de 32,01 mil toneladas dessa oleaginosa. A região que teve maior incremento de área foi a Noroeste, com, 57% de aumento, devendo semear cerca de 4.800 hectares. A cultura mantém-se ainda na fase majoritária de desenvolvimento vegetativo e iniciando a floração, apresentando lavouras com bom stand.

Em Três de Maio, a produção da canola não é muito difundida, sendo que a área destinada ao cultivo é de aproximadamente 150 hectares. Segundo o engenheiro agrônomo da Emater local, Fábio Karlec, em Três de Maio apenas seis produtores se dedicam a cultura.

A semeadura da canola se concentra principalmente nos meses de maio e junho, sendo que a colheita ocorre entre outubro de novembro. Em média, a produção local é de 1.400 quilos por hectare.

Karlec explica que a canola não é uma cultura cara, mas que outros fatores são entraves para o agricultor apostar na atividade. "Os custos são menores se comparados a outras culturas como trigo, por exemplo, em virtude de menores gastos com fungicidas e inseticidas. Mas, a cultura não é difundida pela dificuldade da colheita em virtude do amadurecimento desuniforme que ocasiona perdas pela debulha precoce e pela dificuldade da semente ser pequena, além da baixa produtividade", observa.

Apesar da baixa produtividade, pontua Karlec, a canola é uma excelente opção na rotação de culturas, pois além de ser uma leguminosa fixadora de nitrogênio no solo, também ajuda na interrupção do ciclo de doenças fúngicas do trigo e milho (giberela, glomerala, septória e cercosporiose). "Ganhos esses que se for analisado no sistema geral de produção fazem a cultura ser uma boa alternativa".

O agrônomo orienta que a canola é uma ótima alternativa para rotação de culturas no período de inverno com rentabilidade econômica. "A canola possui mercado em expanção com aumento da demanda pelo produto em virtude da utilização para biocombustível e óleo vegetal. Quanto ao manejo, o produtor deve ficar atento principalmente na semeadura e na colheita. Uma semeadura bem uniforme que proporcione um boa população de plantas, bem como uma colheita com o mínimo de perdas são pontos fundamentais", aconselha.


FOTO: ALINE GEHM



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

27/07/2018   |
18/05/2018   |
27/04/2018   |
02/03/2018   |
14/07/2017   |
23/06/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS