Segunda-feira, 12 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Coveiro das virtudes

09/09/2013 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Como o PT conseguiu sepultar, também, a outrora respeitada política externa brasileira

Onyx Lorenzoni


O fato: Um senador boliviano estava há 452 dias asilado na embaixada brasileira em Bogotá. A Bolívia não concedia o salvo conduto para que ele saísse do país e o Brasil não se esforçava para resolver a situação.  Então, cansado de conviver com o confinamento do senador boliviano e inconformado com a falta de ação do governo (lembre que 452 dias equivalem a 15 meses), um diplomata foge com o senador.
Sem dúvida, foi uma medida extrema e heterodoxa em termos de diplomacia. Um episódio que merece os devidos esclarecimentos e uma análise criteriosa e isenta de tudo e de todos que estão envolvidos nesse caso. Uma análise de deixe de lado a cumplicidade socialista e "bolivariana" que se instalou em nossa política externa
Nesses últimos 10 anos, sob comando dos governos do PT, a política externa do Brasil tem agido assim e tem sido muito eficiente em produzir  vergonhas.  Vergonha de ver o então presidente Lula alimentar a pretensão de mediar a paz entre Israel e Palestina e ser solenemente ignorado pelos demais países do mundo. Vergonha em ver extraditados os cubanos que tentaram fugir de Cuba durante os jogos pan-americanos. Vergonha em ouvir que eles "desistiram de desertar e pediram pra voltar a Cuba". Vergonha em ver o Brasil ter refinarias da Petrobras encampadas ou invadidas em outros países e saber que o país abriu mão delas. Justo por estes que combatiam as privatizações porque elas entregavam o patrimônio do país. Isso sem falar em perdoar dívidas que diversos países (muitos comandados por ditadores) tinham com o Brasil. Vergonha de saber que esconderam a informação de que Evo Morales humilhou o ministro da Defesa, Celso Amorim, ao revistar com cães farejadores uma aeronave da FAB procurando justamente por esse senador. E que, ainda assim, o Brasil saiu energicamente em sua defesa quando Evo Morales passou por constrangimentos semelhantes na Europa.
Então, a presidente vem a público se manifestar pela primeira vez sobre o assunto. E o que ela faz? De forma agressiva e prepotente, protagoniza um bate-boca com o funcionário de escalão inferior. O motivo? Ele se atreveu a dizer que não tem "vocação para carcereiro" e que se sentia com se estivesse ao lado do "DOI-Codi". Foi o que bastou. Dilma precisa tirar proveito de qualquer oportunidade em que possa se apresentar como vítima da ditadura. Então ela diz:
"Eu conheço o DOI-Codi. Eu estive no DOI-Codi. Sei o que é. E asseguro: é tão distante o DOI-Codi da embaixada brasileira lá em La Paz como é distante o céu do inferno. Literalmente isso"
Ora. Nada pode ser pior que o inferno e nada pode ser melhor que o paraíso. Religioso ou não, qualquer pessoa sabe disso. E como ela não tem cuidado com suas metáforas, nem a "imprensa amiga" se atreve a criticá-la, ela fica livre pra dizer impunimente coisas como essa. Ninguém se atreve a questionar seus argumentos.
Seria crer que nem mesmo o Inferno é pior que foi DOI-Codi. O que coloca Dilma na posição de alguma espécie de Semideus por sobreviver ao inferno. Da mesma forma, passa a imagem absurda de que ficar 455 dias confinado em um cubículo na embaixada equivale a de alguma forma a viver no paraíso.  É uma ofensa à inteligência dos brasileiros. Mais uma bravata temperada com a conhecida "doçura" da presidente.
Por fim, a mentalidade soviética desse governo não descansa. O Advogado Geral da União, Luís Inácio Adams, se apressou em afirmar que:
"Ele tinha asilo diplomático no âmbito da embaixada. No Brasil, é um novo processo. Asilo diplomático é um asilo provisório, inicial, não é um asilo político. O asilo político é territorial e ele ainda não tem"
Uma sinalização das intenções de um governo que já convenceu pugilistas cubanos a desistirem de desertar. Alias, recentemente, o mesmo Adams já preparou o terreno para repatriar qualquer médico cubano que peça asilo ao governo brasileiro.
"Nesse caso me parece que não teriam direito a essa pretensão. Provavelmente seriam devolvidos."
E tudo isso acontece no mesmo país que, em suprema arrogância, julgou que a justiça italiana foi injusta, ignorou um tratado de extradição e concedeu refúgio a um terrorista, foragido da polícia, que assassinou 4 pessoas na Itália. E ainda o recebeu com festa.  Dez anos de PT e mais uma marca positiva do Brasil sucumbe. A política externa brasileira, que já foi mundialmente respeitada, hoje se apresenta de forma diminuta e sem relevância.
Deputado Federal - Democratas



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

09/11/2018   |
19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |
28/09/2018   |
21/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS