Sábado, 21 de outubro de 2017
Ano XXIX - Edição 1479
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Sobre Testes em Animais...

29/10/2013 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
    O assunto é polêmico. Testar ou não produtos químicos em animais ? Estaria a ciência acima de tudo ? Estaria correto aprisionar cães para submete-los a testes químicos, avaliando seus resultados, na busca do produto perfeito que possa ser vendido a humanos ?
    A notícia da semana foi a invasão de um laboratório em São Paulo por um grupo de ativistas que libertaram 200 cães da raça Beagle que eram submetidos a testes químicos. Eram cobaias da ciência...
    O Beagle é um cão dócil, extremamente social, que existe na maioria dos países do mundo e por isso serve de padrão para testes. Imagine um colírio que está sendo testado. Você pinga uma gotinha no olho do bichinho e surge uma terrível irritação. Bom, não deu certo. Vamos testar outro produto. Depois o medicamento, para ser vendido em um outro país, precisa demonstrar como foi testado. Daí entra o Beagle, que é um padrão. Para quem não lembra da raça, é aquela do desenho Snoopy !
    A questão é : como seria o mercado de produtos se não existissem os testes?
    E a grande dúvida é: No mundo moderno, ainda precisamos testar produtos em cães cobaias ?
    Alguns defensores dos testes alertam que se não fossem realizados os testes em animais, não existiria o progresso e o desenvolvimento das pesquisas. É somente testando que se aprimora a pesquisa. Fica difícil imaginar um resultado se você não testar um produto. Por isso laboratórios, como este que foi invadido em São Paulo, realizam atividades normais em nome do progresso e da ciência. Provavelmente se você tem um cãozinho em casa, e já aplicou algum remédio, é porque ele já foi testado em algum outro cão. E muito provavelmente você está comprando hoje o produto final. Vários testes foram realizados e muitos frustrados, antes de se chagar a dose ideal, que agora é vendida. Alguém serviu de cobaia para que o seu cãozinho tivesse hoje acesso a um medicamento.
    Mas os defensores do animais, os amantes da natureza pensam diferente. Aprisionar cães sadios, que poderiam ter um lar e uma família, para submete-los a testes dolorosos e alguns inclusive fatais, é um absurdo !
    Que culpa tem o animal que o homem quer desenvolver um medicamento para colocá-lo a venda e logicamente faturar com isso?
    Seriam necessários, realmente, os testes com animais, como os Beagles, para se aperfeiçoar as pesquisas ou existiriam outros métodos, porém mais caros, e com isso se baixaria a margem de lucro do fabricante de medicamentos?
    Talvez a ciência deva repensar no método atual e estudar a possibilidade de testes em células e tecidos cultivados em laboratório conforme afirmam alguns defensores dos animais. Quem sabe o método de utilizar animais vivos e sadios já esteja ultrapassado. Ah, mas quem vai dizer que este método está ultrapassado, se não houver um estouro na mídia com um grupo de ativistas invadindo um laboratório e libertando cãezinhos indefesos..(?)
    As vezes são necessárias medidas mais drásticas, para se mudar o modo de pensar de um determinado grupo. Nem sempre apenas o diálogo e troca de memorandos resolve algo que já está solidificado.
    Certamente, depois de toda esta ação, algo deverá mudar. Que mude para melhor. E que poupem os cãezinhos, afinal são eles ou não, fieis amigos e companheiros de quem os adota ?
    Não teria Deus criado o cão para ser um amigo do homem (?) e por isso a sua confiança cega em quem lhe dá comida e amor...



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS