Terça-feira, 12 de dezembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1487
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A febre dos aparelhos dentários

14/03/2014 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
A febre dos aparelhos dentários vem tomando conta das crianças e adolescentes. Para muitos é uma questão de necessidade para um tratamento ortodôntico, para outros, apenas um modismo. Para falar sobre este tema, bem como a saúde bucal, a coluna traz uma entrevista com a Cirurgiã Dentista Taísa Guimarães Cassol - CRO RS 8407, graduada pela Faculdade de Odontologia -  Universidade Federal do Rio Grande do Sul  - Porto Alegre - RS,  e Pós Graduada  em Ortodontia e Ortopedia Facial pela Universidade Luterana do Brasil - Canoas - RS, também com Excelência em Ortodontia - Dental Press - Maringá - PR

O sorriso metalizado virou moda?
Sim, já faz algum tempo que o "sorriso metalizado" está em alta. Primeiro era "status", pois o tratamento ortodôntico era restrito a crianças e adolescentes e não tínhamos muitos especialistas na área. Hoje está mais acessível, temos mais profissionais qualificados e atendemos também a população adulta.

Como explicar esta onda em que adolescentes estão colocando em si mesmos
ou procurando amadores para colocar aparelhos dentários?
Deve ser porque os adolescentes gostam de inovar, de serem diferentes, de chamar a atenção e, muitas vezes, mal informados ou conduzidos, não se importam com as consequências de seus atos. Esta onda do "sorriso diferenciado" é muito perigosa.

Quais são os riscos ao fazer estes procedimentos?
Como eles (adolescentes e amadores) não tem parâmetros de força quanto a intensidade, quantidade e direção, os dentes se movimentarão aleatoriamente no osso, podendo ocorrer reabsorção deste osso ao redor do dente, retração da gengiva e até perda do dente. O uso de "ferrinhos" pode causar ferimentos na gengiva e bochechas. As colas tóxicas podem causar lesões na mucosa bucal e, provavelmente, estas pessoas não recebem orientação de higiene. A má higienização pode levar a inflamação na gengiva e também o que é mais grave, à periodontite.

Como o CRO (Conselho Regional de Odontologia) atua?
O CRO atua fiscalizando a existência de clínicas ou consultórios clandestinos, coibindo o comércio ilegal e apreendendo material falso.

Quando é necessário o uso do aparelho para o tratamento ortodôntico?
O tratamento ortodôntico se faz necessário quando o paciente apresentar algum tipo de maloclusão, ou seja, uma relação de contato incorreta entre os dentes superiores e inferiores. Quando casos mais complexos, o tratamento passa a ser multidisciplinar, ou seja, contamos com o auxílio de colegas de diversas áreas da odontologia, como por exemplo: Implantodontia, Cirurgia Buco-Maxilo Facial,  Odontopediatria,Periodontia, entre outras.
 O tratamento ortodôntico visa a harmonia entre os dentes, lábios e ossos maxilares levando a um equilíbrio facial adequados.

Quem pode colocar e manusear?
Quem está apto a realizar o tratamento ortodôntico é o cirurgião dentista que tenha feito curso de pós-graduação em Ortodontia, seja a nível de especialização, mestrado ou doutorado, com treino específico para diagnosticar e tratar pacientes portadores de maloclusão.

As pessoas estão valorizando mais a aparência?
Sim, esta valorização na aparência já tem algum tempo e, às vezes, há um certo exagero.
 
A saúde bucal está mais cuidada?
Sim, pois as pessoas tem um maior acesso a informação, as entidades da classe, tais como CRO  (Conselho Regional de Odontologia), SOGAOR (Sociedade Gaúcha de Ortodontia), ABOR (Associação Brasileira de Ortodontia), entre outras, realizam campanhas de orientação e prevenção em saúde bucal. Outro fator que contribui para que a saúde bucal esteja mais cuidada é que poder aquisitivo da população aumentou.

Ponderações finais?
Tratamento Ortodôntico é diferente de "colocar aparelho". Como apareceu em uma reportagem (matéria) de TV, colocar aparelho, qualquer um coloca e enfeita como quiser.
Para que se tenha êxito em um Tratamento Ortodôntico é necessário procurar um profissional qualificado, ético, que se comprometa com o paciente e este, por sua vez, colabore com o tratamento.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

08/12/2017   |
01/12/2017   |
24/11/2017   |
17/11/2017   |
10/11/2017   |
03/11/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS