Sábado, 29 de abril de 2017
Ano XXIX - Edição 1454
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Ronco

21/03/2014 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
Pessoas que roncam alto são frequentemente alvo de piadas e cotoveladas no meio da noite, mas o ronco não é brincadeira, é coisa séria. Mais de 80% da população sofre com o ronco. Estima-se que os homens são os que mais sofrem com o ronco. Pessoas obesas são mais propensas a roncar, já que o tecido acumulado na garganta atrapalha muito o trabalho respiratório. O ronco também tem um caráter perturbador para a pessoa que está ao lado, além de ser um problema, que pode prejudicar os relacionamentos. 

O que é o ronco?
O ronco ou ressono (ato de ressonar) é uma obstrução parcial das vias respiratórias superiores durante o sono, que pode ocorrer em razão natural do contato das paredes musculares da faringe que tem diminuição do seu tónus induzido pelo repouso e a própria perda de elasticidade que acontece com o decorrer da idade ou decorrente de uma obstrução nasal. Também podemos dizer que o ronco é um ruído formado atrás da base da língua e produzido pela respiração, quando as vias aéreas são obstruídas durante o sono. Pode ser classificado como normal ou patológico.
- O ronco normal: é o ruído liberado quando dormimos. Também chamado de ronco posicional, acontece normalmente quando uma pessoa dorme com a barriga para cima, pois essa posição faz com que o queixo se desloque para baixo e para trás fazendo com que a língua pressione a garganta.
- O ronco patológico: pode ser provocado por diversos fatores, como a diminuição do tônus e perda da elasticidade das paredes musculares da faringe, a grande produção de muco e secreções, alterações nos ossos faciais, problemas como sinusite, rinite e outros. O ronco patológico não sofre influência da posição de repouso das pessoas, pois nesse caso o ruído acontece pela respiração bucal provocada pelo indivíduo quando ocorre a obstrução nasal durante o sono.

Causas
- Flacidez nos músculos da boca e da garganta;
- Amídalas e adenoides hipertrofiadas;
- Desvio do septo;
- Pólipos no nariz;
- Palato em forma de ogiva;
- Rinite, sinusite e obstruções nasais;
- Palato mole e úvula aumentados;
- Queixo retraído;
- Envelhecimento.

Fatores de risco
- Pescoço mais grosso e mais curto;
- Obesidade;
- Ingestão de bebidas alcoólicas;
- Uso de remédios para dormir ou de calmantes;
- Dormir em decúbito dorsal;
- Excessos alimentares antes de dormir;
- Refluxo gastroesofágico;
- Tabagismo.

Tratamentos
Para facilitar o repouso das pessoas que roncam, e ainda de seus companheiros, foram desenvolvidos tratamentos que são feitos de acordo com os sinais que cada pessoa apresenta. Inicialmente, aconselha-se deitar na posição lateral para aqueles que apresentam ronco posicional.
Nos casos de ronco patológico, antes de iniciar um tratamento é necessário o estudo do caso a partir de especialistas nas áreas de otorrinolaringologia e neurologia. 

Como se manifesta o ronco?
O ronco ocorre quando as vias aéreas ou passagem através da qual nós respiramos torna-se parcialmente bloqueada ou obstruída. Um exemplo seria uma língua que cai para trás quando entramos na fase do sono mais profundo. À medida que o diâmetro ou tamanho da passagem das vias aéreas vai diminuindo, o resultado final é um som abafado secundário à vibrações na garganta, ou ronco.

Principais recomendações:
- Evitar sedativos e anti-histamínicos;
- Evitar álcool e cafeína;
- Evitar refeições pesadas 3-4 horas antes de dormir;
- Dormir com um travesseiro que suporta o pescoço e não deixa a cabeça em ângulo agudo;
- Acostume-se a dormir de lado;
- Manter a umidade do ar em seu quarto, uma vez que o ar seco faz com que as membranas entrem em colapso mais facilmente. Um humidificador elétrico neste caso poderá ajudar.

 Mudanças estilo de vida
- Perder peso. Perder mesmo um pouco de peso pode reduzir o tecido adiposo na parte de trás da garganta e diminuir ou mesmo parar de roncar.
- Exercício também pode ajudar a parar de roncar. Trabalhar para tonificar os braços, pernas e abdominais, por exemplo, leva também a tonificar os músculos em sua garganta, que por sua vez pode levar a roncar menos.
- Pare de fumar. Se você fuma, as chances de ronco são elevadas. Fumar provoca bloqueio das vias respiratórias por causa da irritação das membranas do nariz e da garganta.
- Evite o álcool, soníferos, sedativos e, especialmente antes de dormir, porque relaxam os músculos da garganta e interferem na respiração. Converse com seu médico sobre quaisquer medicamentos de prescrição que você está tomando, pois alguns incentivam um nível mais profundo do sono que pode piorar o ronco.
- Estabelecer padrões regulares de sono. Crie um ritual de dormir com seu parceiro e cumpra-o. Arrumar a cama juntos e de forma rotineira pode ajudar a dormir melhor e, muitas vezes, minimizar o ronco.

Aparelho anti-ronco e apnéia
O Aparelho Anti-Ronco e Apnéia desenvolvido pelo Dr. Prenticesidinei de Oliveira trata tanto o ronco e apnéia obstrutiva do sono (AOS), avançando a mandíbula para frente. É um dispositivo feito sob medida que consiste em placas dentárias superiores e inferiores com um único mecanismo de acoplamento. Se necessário, um componente pode ser adicionado para tornar o dispositivo ajustável, fornecendo níveis incrementais e ajustáveis de avanço da mandíbula, que melhora a eficácia e nível de conforto do tratamento, pois a mandíbula é movida apenas na medida em que é necessária para aliviar o ronco.

Fonte: 
Wikipédia, a enciclopédia livre.
 - http://drauziovarella.com.br/envelhecimento/ronco/
 - http://www.sheiladiniz.com.br/artigos/49-pesquisa-revela-homens-e-mulheres-possuem-padrao-de-sono-distintos.html
Créditos pra Dra. Sheila Diniz -
Distúrbios do Sono.





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

20/04/2017   |
13/04/2017   |
07/04/2017   |
31/03/2017   |
24/03/2017   |
17/03/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS