Sexta-feira, 18 de agosto de 2017
Ano XXIX - Edição 1470
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A alma do Crime...

28/03/2014 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
Sentado na sala de aula do mestrado, acompanho o raciocínio do professor. Estamos conversando sobre o Poder/Dever do Estado em Punir aqueles que cometem crimes...

O debate entre nós, alunos, sob a coordenação do professor, caminha sob a ótica de que apenas punir não é uma solução moderna. Homens e mulheres jogados ao atual sistema carcerário, saem dos presídios pior do que entraram...

O professor provoca então a turma, desenvolvendo um raciocínio de que aquele que comete crimes se torna uma vítima do Estado. O debate esquenta...

Durante o debate opino e afirmo que o Estado só aplica a punição depois que o agressor já praticou um crime. É neste momento que o Estado entra em ação. É esta a hora em que ele resolve punir alguém, depois do crime cometido. Então o bandido não pode ser vítima do Estado, pois ele agrediu primeiro...

Um colega de aula então rebate argumentando que o Estado, quando não dá condições de vida digna para alguém, está agredindo esta pessoa e por isso ela se revolta e começa a praticar crimes. O estado então agride primeiro sendo omisso com seu povo...

O debate aumenta. Argumentos fazem referência às pessoas que nascem em favelas, sem saúde, com pouco acesso à educação, sem chances de emprego, sem segurança. Este seria o motivo que leva homens e mulheres para o crime: a revolta pelo descaso do Estado que depois resolve punir quem se rebelou. São, então, muitos criminosos, vítimas do Estado...

Então pergunto:

- "E quem nasce em berço de ouro e comete crimes? É vítima do quê?"

Outro debate se cria... aulas de mestrado são assim: Quentes !

Fiquei com isso na mente o outro dia inteiro...

Não é porque alguém nasceu em uma favela que necessariamente vai virar bandido. Tem muito "filhinho de papai" bandido.

Crimes ocorrem em todas as camadas sociais.

Assim como existe muita gente que nasce em um ambiente sem condições dignas e trabalha honestamente uma vida inteira.

Muitos vencem a tentação do crime, mesmo tendo sido criados em um ambiente que tinha tudo para desviar sua personalidade.

São inúmeras as histórias de pessoas que nasceram em ambientes complicados, com famílias desregradas e tornaram-se exemplos de superação.

Assim como são inúmeros os casos de pessoas que nasceram em famílias sólidas, com boa condição social e cometeram crimes terríveis.

O crime não escolhe somente o pobre ou o rico. O crime está em todos os lugares. Não acredito que sejam apenas as condições em que a pessoa foi criada que determinam se ela será ou não um bandido. Não. Este raciocínio não é absoluto.

Muito vem de dentro da pessoa, que já nasce com uma tendência a delinquir...


Existe uma luta diária, interna, mental, na cabeça de cada pessoa, e que tenta constantemente levá-las a um caminho ou a outro. A persistência em fazer o bem e acreditar que existe um mundo melhor é que fará a diferença. Somos testados pelo nosso subconsciente diariamente em várias situações. Temos que tomar decisões em casa, na família, no trabalho..
Para algumas pessoas, os caminhos são mais tortuosos, e elas devem decidir também. Está dentro de cada um a chave que abrirá cada porta que conduz a um caminho diferente. O ambiente é sempre uma agravante que pode ou não interferir neste processo...





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS