Quinta-feira, 15 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Excesso de uso do cheque especial: 4 em cada 10 brasileiros utilizaram esse recurso em 2013

25/04/2014 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Luciano Duarte Peres*

O uso do cheque especial deveria ser apenas para emergências financeiras, já que essa categoria de crédito possui uma das maiores taxas do mercado. Mas, infelizmente, aqui no Brasil os consumidores estão utilizando a modalidade como um plus a renda, prova disso é que segundo o SPC - Serviço de Proteção ao Crédito, em 2013 40% dos brasileiros utilizaram esse reforço ao longo do ano.

O cheque especial é um empréstimo automático, oferecido pelos bancos e que normalmente já é contabilizado ao saldo, mas fique atento já que a categoria está entre as que possuem as maiores taxas de juros do mercado, chegando a 150% ao ano (8% ao mês). Normalmente isso pode gerar uma dívida muito maior do que a esperada. Um exemplo prático disso: quando alguém pega R$ 1 mil do cheque especial, mas no mês seguinte teve dificuldades de repor o dinheiro, fazendo com que o problema se arraste por meses, ao final de um ano a dívida passará de R$ 1 mil para R$ 2,5 mil.
E não pense que apenas as classes mais populares, como C, D e E que apelam para a ajudinha a mais, a pesquisa feita pelo SPC mostra que 43% das pessoas que utilizaram o cheque especial pertence as classes A e B, enquanto 34% as classes C, D e E.

Para não cair na tentação e acabar com um rombo no orçamento, nunca use o cheque especial para ajudar nas compras ou desejos pessoais que ultrapassem a renda mensal. Esse hábito traz a falsa impressão de aumento de renda, e claro, leva ao descontrole das despesas, gerando o endividamento. Caso venha a utilizar em um momento de emergência, fique atento aos prazos de pagamento, veja se o seu banco oferece alguns dias de uso do cheque especial sem cobrança de juros.

Planejamento a longo prazo é a alternativa ideal para não precisar utilizar o cheque especial. Por exemplo, se existe a necessidade dos valores em mãos hoje, mas você terá um dinheiro extra em julho, como restituição do imposto de renda, ou primeira parcela do 13º, uma dica é ir ao banco e negociar um crédito pessoal com pagamento da dívida para o mês que terá dinheiro, essa alternativa acaba sendo mais segura e mais barata.

Os dados ainda são alarmantes: 8 em cada 10 brasileiros não possuem um controle total de suas finanças. Os motivos principais são a falta de disciplina ou de informação, já que a maioria não sabe como anotar gastos e estabelecer prioridades. Além disso, 85% dos consumidores admitem fazer compras por impulso, movidos pela emoção, trazendo riscos para o orçamento.

Fique atento principalmente às taxas de juros, saiba quanto você vai pagar e pense se vale mais a pena um empréstimo pessoal ou a utilização do cheque especial. Faça sempre as contas. Uma boa dica para ajudar a todos é o site http://meubolsofeliz.com.br, que oferece serviços gratuitos como calculadoras financeiras, simuladores e consultorias individualizadas ao internauta, fornecidas pelos economistas do SPC Brasil.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

DICAS PARA NÃO ENTRAR NO VERMELHO
Perguntas que o consumidor deve se fazer antes de
qualquer compra:
- Eu realmente preciso desse produto?
- O que ele vai trazer de benefício para a minha vida?
- Se eu não comprar isso hoje, o que acontecerá?
- Estou comprando por necessidade real ou movido por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima?
- Estou comprando por mim ou influenciado por outra pessoa ou por propaganda sedutora?

Se mesmo diante deste questionamento, a pessoa concluir que realmente precisa comprar o produto, seria prudente fazer mais algumas perguntas como:

- De quanto eu disponho efetivamente para gastar?
- Tenho o dinheiro para comprar à vista?
- Precisarei comprar a prazo e pagar juros?
- Tenho o  valor referente a uma parcela, mas o terei daqui a três, seis ou doze meses?
- Preciso do modelo mais sofisticado, ou um básico, mais em conta, atenderia perfeitamente à minha necessidade?

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

*Especialista em direito bancário e presidente do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Bancário




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

09/11/2018   |
01/11/2018   |
26/10/2018   |
19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS