Quarta-feira, 24 de julho de 2019
Ano XXXI - Edição 1567
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para Consumo

24/08/2012 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO  -  RONHA DOS DERROTADOS  - Quem ganha é exaltado. Quem perde é execrado. Não viram nas Olimpíadas? Os que ganham choram e os que perdem choram também. Muita dramaticidade. Quem ganha sobe em caminhão de bombeiros. Quem perde, volta quietinho. Quem ganha é o cara. Quem perde é vilão. Vamos combinar que a derrota não deveria gerar nenhum drama. Afinal de contas, ganhar e perder é da vida. Quem sobe ao pódio, se recebe a medalha dourada, é glorificado. Para outros, a prata é vergonha. Não foi assim no futebol e no vôlei masculino brasileiro? Foi. As mulheres do vôlei brasileiro voltaram heroínas. Na vida é preciso saber perder e é preciso saber ganhar. Com a vitória  ou  com a derrota é preciso aprender.

ESCOLAS PARTICULARES  -   O Senado aprovou cotas: reserva de pelo menos 50% das vagas das universidades públicas e escolas técnicas federais para alunos que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas. A notícia foi da semana passada. Agora, as escolas particulares pretendem ir à Justiça contra a Lei das Cotas. Com toda razão, porque a medida é prejudicial aos interesses da iniciativa privada. Parte dessas vagas devem ser destinadas a negros, pardos e índios e outra parcela para alunos de famílias com renda abaixo de 1,5 salário mínimo. É o protecionismo interesseiro.

E O MENSALÃO? - Segundo os advogados dos réus ele não existiu. O que existiu foi um caixa 2 que não dá cadeia.  José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares são todos inocentes. Culpados? Marcos Valério, um ex-vice-presidente do Banco Rural, já falecido. Fiquem atentos.

PACOTE CAPITALISTA  -  A presidente Dilma Rousseff, contrariando os princípios petistas, está anunciando um pacote capitalista em  etapas. Na verdade, trata-se de privatização, mas para evitar encrencas com petistas radicais, chama o pacotaço de concessão, ou parceria. Apenas jogo de palavras, porque o choque de capitalismo, para desatar o nó Brasil é privatização de portos, aeroportos, rodovias e ferrovias. Os tempos mudaram!

UM TERÇO PARA IMPOSTOS - É uma monstruosidade: um terço do que se produz no Brasil vai para as burras governamentais para pagamento de impostos. Dos R$ 4,1 trilhões de riqueza produzidos em 2011, R$ 1,4 trilhão foi para pagamento de tributos. Deste montante 15% foram usados para pagamento da nossa monstra dívida pública.

O QUE DIZER DE NOSSA EDUCAÇÃO? PARECE QUE A NOSSA EDUCAÇÃO ESTÁ NA CONTRAMÃO DA HISTÓRIA: QUANTO MAIS TECNOLOGIA, MENOS CONHECIMENTO.

JOGO DE PALAVRAS  - Para desatar o nó Brasil, a presidente lançou mais um pacote, incentivando a privatização de rodovias e ferrovias, na primeira fase. Trata-se de privatização, mas como a filosofia ideológica petista não se dá bem com esta terminologia, a presidente fez jogo de palavras: ao invés de privatização, chamou de concessões ou parcerias as privatizações. Nada a ver.

SEM RANÇOS - A presidente largou de mão(com certeza, para salvar a Pátria e sua reputação) ranços ideológicos - embora admitisse que estava fazendo concessões e não privatizações - porque não há dinheiro para infraestrutura, apesar da alta carga tributária no país. Parece que terminou a dicotomia esquerda-direita. O que importa, agora, é salvar a pele.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

19/07/2019   |
12/07/2019   |
05/07/2019   |
28/06/2019   |
21/06/2019   |
07/06/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS