Terça-feira, 12 de dezembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1487
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Voyerismo & Exibicionismo

18/07/2014 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
São a duas faces da mesma moeda: quem espia e quem se exibe...

Para falar sobre este tema, Voyerismo e Exibicionismo, entrevistamos a Psicóloga, Psicoterapeuta, Especialista em Psicologia Clínica, Política e Gestão de ONGs, MBA -Identidade Empresarial -Arlete Salante.
Além do extenso currículo, Arlete é professora na SETREM e Consultora Individual e Empresarial nos setores público e privado nas áreas das psicologias: clínica, organizacional e social.


O que é voyerismo?
O voyerismo envolve comportamento de observar o outro, sem que este saiba que é observado e obter prazer a partir disso. Está especialmente ligado ao exercício da sexualidade. Do ponto de vista psicológico é considerado um desvio em relação ao exercício saudável da sexualidade.

E porque atualmente fala-se neste termo?
Há outros sentidos?
Hoje se fala mais em voyerismo social, voyerismo televisivo que representam a influência  que as mídias e a sociedade tem  na vida das pessoas, isso porque o interesse em olhar a vida dos outros sempre existiu. Um exemplo disso são as revistas de fofoca, que existem desde o surgimento da televisão e movem de forma considerável a economia. Então, vem sendo cada vez mais explorado pelos meios de comunicação, pelas mídias, redes sociais, o que podemos perceber também nos reality shows, o interesse que desperta a vida dos outros, mexendo com os sentidos e provocando o comportamento de espiar, observar o que os outros fazem, de que forma fazem ou ainda quando as pessoas se expõem cotidianamente nas redes sociais. Neste caso, exercendo a outra face do voyerismo que é o exibicionismo.

Então, é um comportamento de
muitas pessoas?

Sim, entrou na normose que significa normal da neurose. Então, passar boas horas do dia ou da noite em função de acompanhar a vida dos outros já é um hábito bem brasileiro pelos anos de telenovelas, faz parte de uma cultura que aliena. Do entretenimento passa a obsessão, para muitos hábito que escraviza. Viver a vida dos outros, nesta realidade imaginária é um ponto de fuga da própria realidade do cotidiano de cada um. Acontece também pela necessidade de reforço em determinados padrões e valores sociais, familiares, religiosos, econômicos. Tornou-se uma prática que distrai de si mesmo, pouco funcional para a vida.

Podemos dizer então que todo mundo
é um pouco voyeur?

É natural ao ser humano olhar, observar os outros na busca de crescimento, fonte de inspiração para fazer mais na própria vida, então há ganho, dá resultados positivos. Caso contrário, pode despertar críticas, inveja, ressentimento, deseja de ter o que os outros têm sem assumir a responsabilidade da própria conquista.

Como a psicologia explica? Traz satisfação?

O termo remete a patologia, ou seja, condição de fixação do hábito, então regressão e aprisionamento aos fatos vividos na infância. Então, do ponto de vista da existência não traz satisfação, a realização própria ou autorrealização  depende do desenvolvimento das próprias potencialidades. Tudo depende do uso que se faz dos instrumentos que estão, hoje, à disposição de todos. Bons filmes, bons programas, boas relações certamente são motivadoras para assertividade, para o prazer em viver e acontecer. Já, a necessidade de saber da vida íntima ou mesmo pessoal dos outros, assim como o cultivo de imagens de sofrimento, os permanentes conflitos com as mesmas coisas, relações doentes, amores obsessivos acabam colocando as pessoas em desigualdade de condições, escolhas nocivas para si próprio.

Em cidade pequena a prática do voyerismo é mais frequente? Fale um pouco sobre isso?
De certo modo sim, pelo menos é mais visível. O fato das pessoas serem conhecidas propicia o interesse pela vida dos outros e junto com isso, muitas vezes vem o julgamento. A "moral" social é mais forte, deve-se estar dentro de determinados padrões que aquela determinada sociedade convencionou, fato que não propicia autonomia e menos ainda a autenticidade de cada um. É como se as pessoas tivessem a obrigação de seguir um acordo tácito, mas por outro lado, colocam estas mesmas pessoas em déficit, ou seja, em dívida para  com elas mesmas. Num livro de um psicólogo da década de 60, 'O homem procura de si mesmo' - o autor discorre sobre a "moralidade" motivada pelo ressentimento, e o quanto a falta da realização pessoal desperta os "mexericos" de cidades pequenas - ou seja, cuidar do comportamento dos outros e aplicar a regra de comportamento daquela sociedade. Enquanto se direciona o olhar a vida dos outros na posição de "juiz" não há desenvolvimento interior, apenas rigidez de modelos. Mas como já disse antes, pode-se haver sempre a perspectiva saudável de ver o outro como fonte de inspiração.

E como isso aparece em cidades maiores?
Também pelas redes sociais, mas percebi que em cidades maiores acontece nos ambientes de trabalho, onde as pessoas são conhecidas, mas depende muito da cultura estabelecida em cada empresa. 

Só da cultura da empresa ou da cultura das pessoas também?
É essencialmente da cultura das pessoas que se forma-se a cultura organizacional que é um sistema de valores, estes são compartilhados pelos membros da organização, em todos os níveis. São elas que sustentam os modos de ação da empresa. Cada empresa tem sua identidade, assim como cada pessoa, ela se reflete no comportamento dos colaboradores e na gestão da empresa.

Ponderações finais
É ótimo ter diversão na televisão, encontrar pessoas nas redes sociais e isso deve ser feito porque faz parte do mundo da sociedade contemporânea, mas é interessante perceber de que modo isso acontece com cada um, com qual objetivo e feito e que resultado traz. O pano de fundo, a origem do voyerismo ou do exibicionismo está no conflito interno. Enquanto o sujeito não quer realmente compreender a si mesmo, fazer caminho do próprio autoconhecimento corre o risco de passar uma vida vazia, por estar desconectado da própria natureza existencial, ou seja, passa a vida sem saber para que veio, sem encarar esta questão que a existência coloca para todas as pessoas: Qual é seu projeto de vida? Como realizar a existência em cada momento?





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

08/12/2017   |
01/12/2017   |
24/11/2017   |
17/11/2017   |
10/11/2017   |
03/11/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS