Sábado, 19 de janeiro de 2019
Ano XXX - Edição 1541
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para Consumo

18/07/2014 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO  -  CARA DE QUEM GANHA NÃO É CARA DE QUEM PERDE - Não é mesmo? Sem dúvida, cara de quem ganha não é a mesma de quem perde. Basta ficar de olhar atento, quando os atletas saem de campo ou de quadra. Os vitoriosos saem com a cara cheia de sorrisos e de olhos brilhantes: deslumbrantes. Os perdedores saem de cabeça baixa e acabrunhados. Azedos. Incomodados. Chorosos. Olhem, pois, para a cara do escrete brasileiro. Isso é válido não tão somente para competidores das quadras esportivas. Vale em todos os segmentos da vida. No mundo dos negócios os felizardos que abocanham altos lucros só têm motivos para sorrir e festejar. Ao contrário, os que perdem, lamentam, choram e até se desesperam. Nas disputas por cargos, os vencedores têm a cara iluminada, com todos os dentes à mostra. E os derrotados se encaramujam e choram para dentro com extrema acidez. Loas ao ganhador e lamúrias para o perdedor. Quem perde o jogo, sai com lágrimas da disputa. Quem ganha se exalta e é ovacionado. A torcida não quer saber de derrotado. E o derrotado não aceita o vexame da derrota. Quem vence pode celebrar. Mas da derrota pode tirar-se lições para toda vida. É preciso saber perder.

MAUS PRESSÁGIOS -  Não são nada bons os presságios econômicos para o segundo semestre neste País de 200 milhões de brasileiros. A economia do segundo semestre começa com o freio puxado na indústria e no comércio. Os estoques estão em alta e o faturamento em baixa. A indústria de eletrodomésticos e eletrônicos está devagar. Isso pode significar férias coletivas ou até dispensas.

A COPA NÃO ESCAPOU DAS FALCATRUAS - Quadrilha internacional  vendeu ingressos superfaturados para jogos da Copa do Mundo. E o ministro do Desenvolvimento, assessores, familiares e o escambau foram aos principais jogos da Copa com ingressos pagos pelos contribuintes. A APEX - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento -  cedeu 72 ingressos para mordomia federal -  todos de categoria 1. Paga quem precisa.

LEMBRAM-SE?  A Taça Jules Rimet, conquistada em definitivo pelo Brasil, em 1970, foi roubada aqui no Brasil, em 1983, e  nunca mais foi encontrada.

MENOS MÁQUINAS AGRÍCOLAS - O segmento de máquinas agrícolas terá um declínio de produção em 2014. A previsão da queda é de 13,3%. O ano de 2013 foi bem favorável. A produção de veículos também recua 23,3% no mês de junho. Tudo devido ao baixo poder aquisitivo.

ALÍQUOTA -  É alta a alíquota para quem paga Imposto de Renda. A paulada é de 27,5% para quem ganha cerca de R$ 4,5 mil reais. Podia ser bem menos.  Arca nas burras do governo com mais de R$1.000,00 por mês. Muitos brasileiros não ganham isso de salário.

QUE BANANA! -  Os candidatos que vão disputar o Palácio do Planalto devem gastar mais de R$ 916 milhões. Os gastos podem chegar a 1 bilhão. Que banana! Também pudera! São 11 candidatos.

POR QUE CHORAR?  Uma derrota não deveria ser motivo de choro, ainda mais quando se trata de atletas superbem pagos, como aqueles que se enfrentaram nas semifinais da Copa: Brasil x Alemanha. Estavam em campo 3,07 bilhões - maior valor de mercado da história. Todos ganhando fortunas, inclusive os técnicos. E o prêmio pelo 4° lugar na Copa é de 11 milhões.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

18/01/2019   |
11/01/2019   |
21/12/2018   |
14/12/2018   |
14/12/2018   |
07/12/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS