Domingo, 25 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Pai: Ele não é a mamãe, mas você também deve sua vida a ele (Parte I)

08/08/2014 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Neste domingo, 10 de agosto, comemoramos o Dia dos Pais, ocasião para recordar, abraçar, reverenciar aquele que junto com nossa mãe nos deu a vida.
A maioria dos homens nutre o sonho de ser pai, mas nem todos compreendem o verdadeiro significado da paternidade, por essa razão existem muitos tipos de pais. Mas para aqueles que tomam a tarefa para si, ser pai é participar ativamente da construção de um projeto de vida chamado filho.
Ser pai é amar, educar, proteger, guiar, motivar, transmitir valores, impor limites e, principalmente, ser um bom exemplo.
A reportagem do Jornal Semanal encontrou dois bons exemplos de pai para
homenagear, e, por mais diferentes que sejam as vivências, algo se evidencia: dedicação, amor e zelo.


O pai de uma 'grande família'
A história do patriarca Florinaldo Motta Borges, 90 anos, inicia como muitas outras e, com o passar dos anos, só melhora. Ao todo, são 18 filhos com a mesma mulher, sua companheira de vida por 65 anos, e seus descendentes já passam de 100. A homenagem é de Dia dos Pais, mas não há como negar que se trata também de uma linda história de amor.
Para retratar essa história, o Jornal Semanal utiliza o texto produzido por uma de suas personagens, a filha Marli, que contou ainda com a ajuda dos netos de Florinaldo, Fernanda e Carlos, para elaborar esse breve relato sobre essa longa, bonita e emocionante história de vida.


Florinaldo Motta Borges, o patriarca de "Uma Grande Família'
Tudo começou... num lindo sábado de sol, há muitos e muitos anos atrás, um casal traçava seu destino, num pequeno baile familiar, muito comum à época (estes bailes aconteciam em residências no interior. Iniciavam em meia tarde e não se e estendiam muito).

Ele Florinaldo, ela Florinda. Bonita combinação... Segundo ele, ela era a 'flor mais linda do salão'... Dançaram, dançaram, dançaram e se apaixonaram... Até aí, a história é bastante comum... Eles tinham aproximadamente 18 anos. O namoro seguiu firme e aos 20 anos, de ambos, casaram-se... a data escolhida foi 28 de abril de 1945.
A partir daí, começava a formação da grande família..

O amor e a fé foram a base de tudo. Florinda, dona de casa sempre muito religiosa. Ele pulso firme, rígido e muito trabalhador. Ela, formosa, doce e divertida. Florinaldo sempre quis uma família numerosa, mas não imaginou que seriam tantos filhos, oriundos da relação com sua amada Florinda. Com essas características construíram uma família com 18 filhos, 47 netos, 36 bisnetos e 1 tataraneto.


Florinaldo e o neto Gustavo. Uma das brincadeiras que o deixa muito feliz
é quando os netos vestem ele como na foto, pois se sente o "cara"


O início da descendência
A primeira filha nasceu um ano após o casamento, Maria Odila, mas faleceu com 7 dias de vida. Provaram a alegria e a tristeza em apenas uma semana. A segunda filha nascera no ano seguinte, Maria de Lurdes, menina alegre e sorridente, que faleceu aos 7 anos de idade, vítima de uma leucemia. Florinaldo sofreu muito, pois ele além de trabalhar na agricultura, era muito conhecido na região por ser um 'curandeiro'. E não conseguia entender o porquê de não ter curado sua doce menina. A terceira gravidez foi mais uma vez festejada. Novamente uma menina, Almerinda. A quarta gravidez veio com grande surpresa. Florinda esperava gêmeas. Oracilda e Oracilia. Esta foi a terceira perda da família. Oracilia faleceu com pneumonia.

Nesse momento, o casal tinha o desejo de continuar a formar sua família, mas foram anos difíceis e o patriarca tinha a preocupação de como criar e educar seus filhos. Mais uma vez a matriarca posicionou suas ideias de que onde come um, comem dois e de que em coração de mãe sempre cabe mais um, e então a família foi aumentando.
Em 23 anos, 18 filhos

O sexto filho, acredite, veio mais uma vez do sexo feminino, Olivia. As notícias já circulavam...
Mais uma vez Florinda estaria grávida. Antigamente dizia-se que se uma família tivesse as seis primeiras filhas mulheres e a sétima também fosse mulher, essa seria bruxa. Então o que aconteceu? Nasceu Ademar, ufa!
Imaginem a situação. Florinda com uma criança correndo pela casa, outra caminhando, uma no colo, outra na barriga. Florinaldo precisava trabalhar muito. Então veio Valdemar. Nos anos seguintes, até 1968, vieram, Jurema, Santa Inês, Valdir, Iolanda, Hortência, Marlene, Valdecir, Maria Luisa, Marli e João.

A essa altura do campeonato ou da vida, os mais velhos cuidavam os mais novos, os mais novos brigavam entre si. Alguns já trabalhavam e estudavam fora. Outros auxiliavam nos afazeres da casa e na lida do campo e todos receberam amor, carinho, educação e valores. Todos os filhos nasceram de parto normal. Florinaldo auxiliou no parto em casa de todos os 18 filhos. A parteira era chamada, mas, às vezes, não chegava a tempo.

65 anos de união
Florinaldo e Florinda completaram 65 anos de casados. Infelizmente perdeu Florinda em outubro de 2010. Vítima deum câncer.
A família foi sempre muito animada. Os finais de ano (Natal, Ano Novo) sempre foram muito divertidos. Nem sempre se conseguia reunir os 15 filhos. Mas precisava reunir apenas uns cinco que a casa ficava cheia.

Florinaldo conta que seu pulso firme foi fundamental na criação dos filhos e que hoje faria tudo de novo. Sempre fez o estilo 'durão'. Quando se mudaram para a cidade tinham um 'bolicho'. Os netos adoravam, mas ele não deixava que mexessem nas suas mercadorias, nem nas bochas (da cancha), nem nas suas cartas de baralho.

Florinaldo foi um bolicheiro conhecido (Seu Motta). Mora na mesma esquina há 42 anos, no bairro São Francisco.

Com 90 anos,  goza de boa saúde, é uma pessoa muito forte, lê muito jornal, caminha e mantém-se o tempo todo lúcido. Hoje ele vive junto a três filhos, noras, genros e netos, os quais auxiliam em suas atividades de vida diária. Moram todos no mesmo terreno, cada um em sua casa, e também tem o auxílio de uma cuidadora.

Florinaldo é imensamente feliz e grato por todas as alegrias que viveu, por toda linda e grande família e pelo exemplo que construiu.


Foram 65 anos de união entre Florinaldo e Florinda, que tiveram
18 filhos, dos quais 15 ainda vivos


Pai herói
"O Senhor foi um herói meu pai, criar todos esses filhos com educação e firmeza, conseguindo levá-los todos pelo bom caminho. Nenhum se desvirtuou.
Nossa mãe foi uma guerreira, infelizmente não está mais aqui. Ela também soube educar, dar carinho e nos protegia sempre. Eu e todos seus filhos com certeza vamos nos orgulhar sempre dela.
Uma frase vai ficar como marca registrada sua pai, toda vez que criticamos que hoje educar um filho é diferente de antigamente o Senhor diz: 'QUE, QUE VOCÊ SABE; VAI QUERER ME ENSINAR AGORA?'
Como filha (sou a 17ª) só tenho a agradecer. Obrigada meu pai, pois o Senhor é um Herói.
FELIZ DIA DOS PAIS!"


Neste ano Florinaldo completou 90 anos e comemorou com uma linda festa. Estiveram presentes 11 filhos,
vários netos e vários bisnetos. Alguns, devido a distância ou outros
compromissos, não puderam estar presentes




Indicar a
um Amigo

Comentários

Seu nomeMarilene
10/08/2014
Adorei ler a história de meu tio, irmão do meu pai, único da família paterna ainda vivo. Adorava passar as férias na casa deles da colônia! Família muito linda!
Ana Luisa Borges
12/08/2014
Agradeço todos os dias a Deus por fazer parte dessa "Grande Família".
Cleusa
14/10/2014
Vô Florinaldo, eu amo você!!! Que tem o nome de flor que combina com o seu grande amor: "Florinda ainda uma flor que finda no imenso céu azul que clareia cada primavera linda com seus lindos olhos azuis"
Deixe a sua opinião

Veja Também

13/04/2017   |
31/03/2017   |
03/03/2017   |
17/02/2017   |
17/02/2017   |
10/02/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS