Quarta-feira, 24 de julho de 2019
Ano XXXI - Edição 1567
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para Consumo

01/08/2014 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO  -  NÃO HÁ PUNIÇÃO  - Não adianta simplesmente constatar que houve crime, ou desvio de conduta, se não houver penalização. Certo ou errado? É a mesma coisa que constatar a doença e não ministrar o remédio adequado. É, digamos, o caso da pedofilia. Muito se fala da pedofilia cometida por membros do clero. O que não deixa de ser uma barbaridade inominável. O papa Francisco está horrorizado e proferiu palavras duras contra a prática da pedofilia por membros da Igreja. Só que, até agora, não se falou em punição dos infelizes que abusam sexualmente de crianças e menores. O mínimo que a Igreja pode fazer é banir, é expulsar estes desgraçados membros do clero, que só fazem vergonha para a milenar instituição eclesiástica. Então, o que dizer se até bispos cometem crimes desta baixeza? Pelo mundo afora e até perto de nós existem violações da lei que não são penalizadas. E, por isso, a ousadia dos fora da lei cresce assustadoramente e a cada dia que passa, sempre novas e novas formas de criminalidade se instalam. As pessoas de bem pagam pelos maus elementos nestes tempos bicudos que estamos atravessando. A preocupação é penalizar coisas de somenos importância.  Os ilesos dão risada da nossa cara.

AINDA SOBRE A COPA -  Foi a Copa da Publicidade, dizem. Rolou dinheiro grosso. Houve, parece, muito mais preocupação com publicidade do que propriamente com o esporte. Os faturamentos de atletas e técnico em publicidade no período da Copa atingiram cerca de R$ 100 milhões. Só Neymar faturou R$ 60 milhões. Belo exemplo do que não deveria acontecer.

"Não fosse a repressão aos preços dos combustíveis, energia elétrica e outros, a inflação chegaria pelo menos a 8%". A constatação é do ex-ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega. O ex-ministro entende que "é chegada a hora de abandonar a tolerância à inflação. Nada diz que o Brasil não possa caminhar para uma meta anual de 3%". A inflação alta mexe com o bolso.

O PIB ESTÁ DEFINHANDO  -  A nossa economia está devagar. As previsões mais otimistas são de que o Produto Interno Bruto, neste ano, não deve crescer mais do que 1%. É a era do Pibinho.

DÍVIDA DA UNIÃO  - Segundo levantamento da Famurs, a União tem um débito de R$ 178 milhões com 109 municípios  gaúchos, que decretaram situação de emergência de 2009 até junho deste ano.  A presidente  prometeu liberar  R$ 40 milhões, para os municípios atingidos.

PROMETER É FÁCIL, DIFÍCIL É CUMPRIR. PRESTE ATENÇÃO ÀS PROMESSAS DOS CANDIDATOS E, DEPOIS, COBRE. BUSQUE SABER DONDE SAEM OS RECURSOS.


AGRADECIMENTO -   Recebi das mãos do meu amigo Elimar Schaffer a obra ASSUMA O CONTROLE, da autoria de Caroline Gil Schaffer, nora do doador do livro, com dedicatória da autora. Um cordial agradecimento à autora pela lembrança e ao generoso doador. Vou ler e aprender muito sobre o mercado de ações. Indispensável a leitura desta obra para quem quer investir.

A VIDA É UM FUTEBOL, ÀS VEZES, MAL JOGADO. MENOS MAL, QUANDO, APESAR DE TUDO, VEM A VITÓRIA.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

19/07/2019   |
12/07/2019   |
05/07/2019   |
28/06/2019   |
21/06/2019   |
07/06/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS