Domingo, 25 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Mutilação Feminina

01/08/2014 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
Me impressiono com algumas notícias quando navego pela net. Chego a questionar se estamos realmente no século XXI. Se realmente a humanidade está evoluindo ou não...Será que estamos no caminho certo?

Li na semana passada que o líder do Estado Islâmico Abu Bark Al-Baghdadi ordenou a prática da mutilação genital nas mulheres do califado muçulmano que pertencem a sua organização. Achei que esta prática não existia mais. Resolvi estudar o assunto e encontrei o texto da pesquisadora Lisiane Sibeli de Andrade Lescano que prova que este ritual ainda é culturalmente aceito em vários países. Que barbaridade!

Clitoclatismo! Este é o nome. É também conhecido como corte genital feminino (CGF) ou Mutilação Genital Feminina (MGF). Trata-se da remoção do clitóris e dos lábios da vagina, praticada por certos grupos étnicos originários do continente Africano e Asiático. A amputação é realizada, normalmente, pelos próprios parentes da menina como um requisito cultural ou religioso.

Cultura ou violação dos Direitos Humanos ?

Culturalmente falando, esta mutilação representa um rito de passagem, comemorado pelo grupo onde vive a jovem. A moça mutilada é considerada honrada, merecedora de um bom casamento e de um marido honrado. A mulher mutilada é considerada aceita pelo seu grupo e então será considerada feliz.

Mas, nem todas concordam com a tradição. Muitas fogem das aldeias e são acolhidas por Organizações que estão dispostas a ajudá-las. Seria isso um indício de que esta cultura em desacordo com o Direito de Liberdade destas meninas? As que ficam e são submetidas a prática, não estariam sendo coagidas?

A verdade é que em nosso mundo existem as mais diversas culturas e cada grupo vai defender os seus costumes com os mais variados argumentos. Argumentos estes que, para aquele grupo, serão os corretos e verdadeiros.

Mas o que eu quero abordar é que existe uma enorme diferença entre o fator cultural de mutilação feminina com a ordem do Líder Islâmico que narrei acima. Uma situação é a prática cultural de certas tribos. Outra é a imposição arbitrária sobre um grupo.

Isso não quer dizer que eu aprove esta cultura. Não! Não é isso. Sou contra todo tipo de mutilação, ainda mais esta. Mas sou muito mais contra a ordem de um fanático religioso que me parece tentar usar esta forma cultural como estandarte para aparecer perante a mídia internacional.

A mulher tem o Direito a proteção do seu corpo em qualquer local que esteja neste planeta. Assim, como possui o direito a proteção de sua alma e seus sentimentos, o que hoje já é reconhecido. Afinal, foram elas as escolhidas para gerar vidas...




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS