Sábado, 24 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Anestesia - Parte II

28/08/2014 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
Por que é necessário o jejum?
Os alimentos que engolimos, sejam na forma líquida ou sólida, não entram na traquéia porque dispomos de mecanismos de defesa que fecham sua entrada, fazendo com que estes dirijam-se para o estômago. Durante a anestesia, estes mecanismos de defesa são bloqueados e, na eventualidade de ocorrer vômito, o alimento poderá entrar nas vias respiratórias e provocar complicações pulmonares muito graves. Portanto não coma nem beba qualquer coisa, siga as orientações de seu médico anestesista.

Se a cirurgia for urgência e você acabou de se alimentar?
Nestes casos existem métodos que podem reduzir bastante o risco de aspiração de alimentos para o pulmão. Todavia quando não há urgência não vale a pena correr qualquer risco adicional. O cirurgião é ciente deste risco e apenas indicará a cirurgia nestas condições quando julgar ser ela absolutamente necessária.

O que acontece antes da operação?
Antes da cirurgia acontecem os preparativos da enfermagem, a pedido dos médicos, podem incluir raspagem dos pelos no lugar da operação, algum remédio e muita atenção. Na noite anterior e cerca de uma hora antes da operação, dependendo do dia e horário de sua internação, é provável que você receba algum comprimido ou uma injeção de sedativo, para tornar mais confortável o transporte e a chegada à sala de operações.

Como você pode colaborar para uma anestesia segura?
Não coma nem beba qualquer coisa, é para ficar em jejum mesmo! Conte ao anestesiologista, os nomes de todos os remédios que você toma ou tomou regularmente. Em especial enumere aqueles a que você tem ALERGIA. Serão removidas de sua boca quaisquer peças dentárias móveis como dentaduras, pivôs, pontes, especialmente as de menor tamanho. Não use cosméticos ou produtos de beleza no dia da operação: deixe-os em casa. Não leve ao hospital, e muito menos para a sala de operações, joias pessoais como anéis, pulseiras, relógios de pulso, brincos, como também retire alfinetes, grampos de cabelo, perucas, cílios postiços, lentes de contato, esmalte de unha e outros objetos. Não mastigue goma de mascar antes da cirurgia, porque isto provoca aumento de ar e de sucos no estômago, o que pode causar vômitos depois da operação. O cigarro, é bom largar pelo menos 15 dias antes da operação. Mas se é inveterado, reduza bastante: no máximo 1 a cada 4 ou 5 horas. Siga, de forma obediente, as orientações dos seus médicos.

Costumamos ouvir que a anestesia para crianças é só um "cheirinho". Esta é uma anestesia mais simples e com menos riscos?
O "cheirinho" nada mais é que o anestésico em forma de gás fornecido junto com a respiração. Estas drogas são as mesmas empregadas na maioria das anestesias dos adultos. A principal diferença é que nestes, a inalação do gás anestésico é precedida pela injeção de um medicamento com a finalidade de fazê-los dormir. Como a criança, em regra, detesta injeções de qualquer espécie e muitas vezes já está familiarizada com inalações, a via inalatória é bem aceita. Esta é portanto uma anestesia geral como outra qualquer, requerendo os mesmos cuidados.

O que é a sala de recuperação?
Terminada a cirurgia ainda não terminou a anestesia, e o trabalho do médico anestesiologista se estende até o momento em que tenham findos todos os efeitos relacionados com a anestesia administrada. Por isso, terminada a anestesia o paciente deve ser encaminhado à sala de Recuperação Pós Anestésica (RPA), onde o paciente será observado de maneira contínua por pessoal qualificado para evitar complicações e surpresas. A sala de Recuperação não é sinônimo de complicação, e é mesmo um estágio que deve ser observado obrigatoriamente. O paciente deve permanecer na Recuperação Pós-anestésica pelo tempo necessário para que se observe as reações do organismo à anestesia, e até que o paciente atinja um quadro de total estabilidade de sua circulação, respiração, nível de consciência e regressão da anestesia. Pacientes considerados graves ou submetidos a cirurgia complexas, podem ser encaminhados para as Unidades ou Centros de Tratamento Intensivo (UTI e CTI), onde uma equipe médica fará acompanhamento, e onde o paciente fica constantemente monitorado.

O que você vai sentir depois da anestesia?
Depende muito da operação, do tipo de anestesia e de suas condições físicas. Graças às modernas técnicas de anestesia, apenas um número muito pequeno de pacientes chega a sentir-se mal. O que deve ser ressaltado é que você, provavelmente, não sentirá nada, nem se lembrará de nada. O anestesiologista zelará para que lhe seja assegurado o máximo conforto.

Qual o risco de uma anestesia?
Novas drogas e equipamentos modernos, muitos anos de estudos e pesquisas reduziram imensamente os acidentes ou complicações de uma anestesia. Com medicamentos, instrumental, novos monitores e técnicas modernas, o anestesiologista reduz ao máximo os riscos de acidentes anestésicos, mas é claro que eles nunca chegam a zero, uma vez que há fatores de risco algumas vezes imponderáveis ligados não só à anestesia, como à própria operação, às condições hospitalares, à condição clínica do paciente, etc. Pacientes com doenças não tratadas ou descontroladas, podem apresentar um maior risco na anestesia, mesmo assim o médico anestesista tem como prevenir complicações, desde que tenha conversado e examinado o paciente. O anestesiologista, além do conhecimento e da especialização médica, emprega toda sua perícia e experiência clínica para o sucesso completo da operação a que você está se submetendo. Para a maior segurança dos pacientes, os hospitais modernos contam com equipes e equipamentos próprios para emergências e cuidados críticos, o que reduz ainda mais os riscos de acidentes graves.

Ronaldo Oliveira Mendes
 CRM 18684 , anestesiologista formado pela Universidade Católica de Pelotas em 1989. Fez residência médica no Instituto Penido Burnier em Campinas, São Paulo. Especialização em tratamento de dor crônica na USP Ribeirão Preto, São Paulo.
Marcelo Seabra Bernardi, CRM 26315, anestesiologista formado pela Universidade Federal de Pelotas em 1999.Fez residência médica na Santa Casa de Ribeirão Preto , São Paulo.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

16/06/2017   |
09/06/2017   |
02/06/2017   |
26/05/2017   |
19/05/2017   |
12/05/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS