Quarta-feira, 23 de agosto de 2017
Ano XXIX - Edição 1471
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Peão de Piratini para Peão do Rio Grande do Sul

12/09/2014 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
Cristiano Quevedo, cantor nativista e regional gaúcho, com 20 anos de carreira e 12 discos gravados, está no auge de sua carreira.
Aclamado em seus shows, retrata em sua música todo o amor que sente pela sua terra, seu povo e seus costumes. Na última sexta-feira, dia 5, em
parceria com o Sesc e o Piquete Farroupilha de Santa Rosa, Cristiano deu um show de interpretação, musicalidade e cantou em versos e prosas o amor pelo Rio Grande.
Com muita simplicidade e bom humor concedeu com exclusividade uma entrevista para a nossa coluna. Cristiano está participando do  Desafio Farroupilha (tiro de laço) da RBS TV, no programa Jornal do Almoço, aos sábados.

Como nasceu o teu gosto pela música?
Acredito que tenha vindo no DNA, não encontro outra explicação, (risos)...

Como surgem as inspirações para as letras?
 Minhas inspirações são fatores e elementos do meu dia a dia. Vem da estrada, onde passo a maior parte do meu tempo, vem do campo, lugar que sempre gostaria de estar, e da saudade, esse sentimento que me acompanha diariamente.

Suas músicas são dançantes, caíram no gosto da juventude e do público em geral, a que atribui?
Gosto de fazer a alegria das pessoas, sou assim. Me sinto melhor vendo o sorriso no olhar de quem me acompanha. Acredito que isto faça eu me aproximar das pessoas. Elas sabem que esse é o meu jeito, estarei sempre em busca de dar-lhes motivos para sorrir.

A música gaúcha, nativista e tradicionalista está com uma nova roupagem. São novos tempos ou o gosto pela música gaúcha está mudando?
Acredito que a tecnologia nos aproximou. Estamos sim, em um tempo do novo, moderno e temos que usar as ferramentas que essa tecnologia nos oferece a nosso favor, claro sempre com muito cuidado. Temos que ter a "audácia de buscar o novo, sem pisar o rastro"...

O que prefere, compor ou cantar?
Os dois!

Por que não alcançamos a mídia nacional?
Talvez por investimento, dificuldade nos textos. O Brasil é muito grande, temos um dialeto gaúcho. Mas se o nosso povo gaúcho nos abraçar sempre, está ótimo!

O que representa para você a Semana Farroupilha? Representa ver a realização de um sonho, aquilo que faço o ano inteiro. Deixar por onde passo uma semente para que todos possam exteriorizar todo sentimento de amor à tradição e costumes do nosso povo.

Em sua opinião o que difere o gaúcho e o tradicionalista? Tem diferenças?
Gaúcho é um estado de espírito de quem nasceu ou não no sul da América do Sul. Ama, cultua suas tradições e tem valores bem definidos. Tradicionalista é aquele que além de ser gaúcho, participa do Movimento Tradiciolista para manter os usos e costumes através dos CTGs. Para eu, todos são bem vindos!
 
Quem são seus ídolos na música?
Passaria o dia falando de meus ídolos. Mas Pedro Ortaça, Luiz Marenco, Elton Saldanha, Pepe Guerra, são alguns!

Como está sendo a tua experiência com a lida campeira; laçar, tropear? O cavalo é mesmo o melhor amigo do gaúcho?
O desafio farroupilha que estou participando me aproximou novamente deste sonho de laçar. É a realização de um sonho enrodilhado como o laço, adrenalina, terapia, um divisor de águas na minha vida. Me reconecta com minha infância lá em Piratini e acredito que minha música e minha vida será ainda mais especial daqui pra frente. Sem dúvida, o cavalo é o melhor amigo junto ao laço e um bom cachorro!

Jogo Rápido:
Casado ou solteiro? Casado com Natalia, também é minha produtora musical.
Filhos? Tenho uma filha, Maria Rosa, 12 anos, do meu primeiro relacionamento.
Como você se define? Um homem realizado.
Prato preferido? Churrasco.
O que não pode faltar na sua geladeira? Energia elétrica (risos).
Um domingo perfeito? Tocar, cantar estar com amigos e família.
O que te tira do sério? Mentira, injustiça, discriminação.
Além das músicas gaúchas, claro, o que você curte? Gosto de muita coisa, mas é a nossa música que me ganha!
Hobby ou passatempo? No momento, laçar!
Maior tesouro? Indiscutivelmente, minha família.
Se não fosse cantor, o que seria? Frustrado.
Maior sonho? Uma maior valorização da minha profissão, para que eu e meus colegas possamos oferecer às nossas famílias condições e um futuro melhor!
Uma mensagem aos nossos leitores... Acorde todos os dias e agradeça a Deus pelo novo dia e vá à luta, tem sonhos a tua espera para serem realizados!




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

18/08/2017   |
11/08/2017   |
04/08/2017   |
28/07/2017   |
21/07/2017   |
14/07/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS