Terça-feira, 19 de novembro de 2019
Ano XXXI - Edição 1584
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A Coluna do J

24/10/2014 - Por J Moraes
Tweet Compartilhar
TODOS OS CAMINHOS conduzem às urnas no próximo domingo. Os gaúchos terão duas  grandes responsabilidades, decidir o destino do Estado e o destino do País. É, sem dúvida, um momento histórico. Todos devem estar preparados e conscientes para vivê-lo.

ESTAMOS NUMA encruzilhada. Temos dois caminhos a seguir. Um que estamos trilhando há 12 anos, outro que se descortina pela frente. Mas são distintos, quem está satisfeito deve seguir na mesma trilha, quem não está tem a oportunidade de mudar.

É POR ISSO que ninguém descobriu até hoje um sistema de governo melhor do que a democracia. Cada eleitor pode decidir de acordo com suas convicções e com sua consciência. A democracia, dizem, é o sistema político onde o poder emana do povo para o povo. Existem controvérsias. Mas deveria ser assim.

UMA CERTEZA todos têm: as eleições presidenciais desse domingo serão as mais equilibradas desde que voltamos da Ditadura. Pelo menos é o que dizem as pesquisas. Ah, as pesquisas! Convém confiar, desconfiando. Deixaram de ser as donas absolutas da verdade.

AGRESSÕES E PANCADARIAS verbais entre os candidatos dominaram os debates e os programas de rádio e televisão. É lamentável que no desespero para se manter no poder, e chegar à ele, levaram os candidatos  a apelar para expedientes nada recomendáveis. Perderam  uma grande oportunidade de mostrar projetos e propostas.

VOCÊ SABIA eleitor omisso, que por justificar a ausência, ou pela decepção com os que ajudou a eleger, a falta do seu voto poderá custar mais caro ao País  do que os mal feitos dos políticos que você detesta? Pois saiba que você, anônimo do voto branco ou nulo, será capaz de decidir a eleição para presidente da República. No primeiro turno, 38 milhões de brasileiros  deixaram de votar  por comodismo, protesto ou decepção. Número capaz  de eleger, no mínimo e na dúvida, o menos pior. Com a eleição indefinida, nunca se fez tão  indispensável a utilidade dos inúteis.

DELAÇÃO PREMIADA virou moda e está livrando criminosos da cadeia. É a institucionalização do chamado "Dedo Duro". Até  que ponto isso favorece a justiça? Daqui a pouco, o criminoso vai praticar o delito já  preparado para a delação premiada. Pode ser legal mas será que é moral? O que é um prêmio para o criminoso será que é para a sociedade?

POR FALAR NISSO, os condenados do Mensalão - até então o maior crime político do Brasil (mas o rombo da Petrobras que está em investigação parece ser bem maior), já estão no regime semiaberto. Uns estão em regime de prisão domiciliar, outros estão pedindo. Não duvide que vão conseguir. E assim caminha a justiça brasileira, de mãos dadas com a impunidade. Cadeia, só pra ladrão de galinha.

BOM FINAL DE SEMANA, um bom voto, para mudar o Brasil, na esperança de novos dias, curtindo Milho aos Pombos, com Zé Geraldo.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

23/12/2016   |
16/12/2016   |
12/12/2016   |
02/12/2016   |
25/11/2016   |
18/11/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS