Segunda-feira, 21 de agosto de 2017
Ano XXIX - Edição 1471
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Ônibus com destino à Florianópolis tomba e deixa 39 feridos

12/02/2015 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Com saída de Santa Rosa, sete pessoas embarcaram na estação rodoviária de Três de Maio

O tombamento de um ônibus que fazia a linha Santa Rosa-Florianópolis, deixou 39 pessoas feridas, duas em estado grave, no sábado, 7. O acidente aconteceu na ERS 343, entre Sananduva e Cacique Doble, no norte do estado.

Conforme a empresa Reunidas, responsável pela linha, o veículo transportava 43 passageiros. A  Brigada Militar informou que havia duas crianças entre os passageiros. Ambas passam bem.

No início da madrugada de sábado, o ônibus caiu em um barranco de cerca de dois metros nas proximidades do Km 48 da rodovia. Segundo o Comando Rodoviário da Brigada Militar, o motorista fugiu do local do acidente. Ele foi identificado como Pedro Valduir Ribeiro, e diz ter fugido após receber ameaças de outros motoristas na rodovia. Em seu relato, ele conta que entrou em meio à mata e caminhou aproximadamente 25 km até chegar em casa.

A Reunidas emitiu uma nota informando que a empresa "prestou imediata assistência aos 43 passageiros que viajavam no ônibus e está trabalhando para atender as pessoas que ficaram hospitalizadas. As causas do acidente estão sendo investigadas pela Polícia Rodoviária Federal,que contará com toda a colaboração possível da empresa.


FOTO: ARQUIVO PESSOAL


RELATO DE PASSAGEIRA TRÊS-MAIENSE
QUE ESTAVA NO ÔNIBUS DA REUNIDAS


No último dia  7 de fevereiro, eu, Denise Maria Nedel (leia-se Lojas Denise, Três de Maio), era um dos passageiros do ônibus da Reunidas que capotou na linha que sai de Santa Rosa com destino final a capital Florianópolis.

Nos primeiros instantes após a capotagem do ônibus, a primeira coisa que fiz foi me soltar do cinto de segurança. Em seguida, liguei o celular para conseguir enxergar alguma coisa. Olhei no relógio, marcava exatamente 00h5min da manhã de sábado, dia 7 de fevereiro.

Até agora nem a Reunidas nem as autoridades explicaram o que causou a capotagem. Após o acidente o motorista sumiu do local abandonando os passageiros a própria sorte...

Eu ocupava a poltrona 16, corredor direito, e estava usando o cinto de segurança, o que me permitiu sair ilesa do acidente. Quero aproveitar este trágico acidente para fazer um DESABAFO...

Sou cliente da Reunidas há mais de 29 anos, desde o tempo em que a empresa era REAL/REUNIDAS. Infelizmente, venho percebendo que pelo menos há 10 anos a companhia não investe na sua frota. Costumava fazer frequentemente o trecho Três de Maio - São Paulo. Então, optei por trocar os serviços da Reunidas por serviços de excursões, justamente pela má qualidade dos ônibus e o descaso com os clientes. Agora, uso com frequência a linha Três de Maio - Florianópolis, e o descaso continua e está cada vez maior. Há pouco tempo viajei com um ônibus da Reunidas que nem sequer cinto de segurança tinha. Fiquei perplexa. Perguntei ao motorista, como poderia trafegar um veículo sem cinto, sendo que a lei exige o uso do mesmo? Ele me respondeu que se eu quisesse reclamar poderia ligar para o "0800" da empresa. A viagem prosseguiu. Felizmente naquela ocasião nada de ruim aconteceu.

Em outra oportunidade, viajei em um ônibus que tinha cinto de segurança em algumas poltronas, mas estavam estragados, e quando isto acontece não adianta reclamar para os motoristas, a viagem segue assim mesmo. Em viagens interestaduais é exigido apoio para os pés, mas este item também costuma faltar em alguns ônibus. Sem contar com o mau cheiro dos banheiros (sim, o mau cheiro já se tornou uma característica dos ônibus da Reunidas). Ao embarcar, já é possível sentir o mau odor, que ao longo da viagem só piora. Já presenciei passageiros tendo que utilizar um pano no nariz para conseguir aguentar durante a viagem. Não existe viagem em que passageiros não tenham alguma história para contar.

Conheço uma amiga que viajou com goteiras saindo do ar condicionado. Outra que presenciou um início de incêndio no motor do ônibus, que ocasionou a interrupção da viagem, tendo que os passageiros, esperarem outro veículo para prosseguir. Um amigo teve que viajar num ônibus em que parte do suporte da carroceria foi improvisada com um pedaço de madeira.

Então, como fica a situação do passageiro que tem compromissos e hora para chegar?

Nesta viagem, na qual o motorista saiu da pista, capotou o ônibus e fugiu do local, ocorreu um episódio que me chamou a atenção. Na segunda carreira do lado direito, uma mãe ocupava 2 assentos com 2 filhos, ou seja 3 pessoas. Como pode 3 indivíduos ocuparem o espaço destinado a apenas 2, com somente 2 cintos? Um dos filhos tinha aproximadamente 4 anos e ou outro uns 6 a 7. No momento do acidente, o filho maior sofreu uma fratura na cabeça no lado direito, um pouco acima da fonte. Por pouco o ferimento não se torna fatal. Este menino, com o susto no momento da batida, em um impulso, saiu do ônibus. Ele disse que não lembrava como tinha conseguido fazer aquilo. Já a mãe, entrou em desespero, pois estava escuro e ninguém enxergava nada e ela, na ânsia de reunir os seus rebentos, gritava desesperada chamando: "Wiliam, Wiliam! Eu não consigo achar meu filho...". Foram momentos de pavor. Naquele instante, temi que por falta do uso do cinto de segurança, o menino tivesse caído para fora e ficado em baixo do ônibus, pois os vidros da janela se quebraram.

Em diversas ocasiões, conversei com motoristas e questionei o que estava acontecendo com a empresa. Ouvi da boca de pelo menos três o seguinte: "esta empresa no tempo em que o velho administrava era uma coisa, depois quando os filhos assumiram, houve um descaso com investimentos, pois pensavam apenas em gastar o dinheiro em outras coisas".

Chamou-me a atenção que após o acidente o atendimento por parte da empresa foi excelente, então pergunto: que forma é está de administrar o negócio? Preferem gastar com indenização do que investir em qualidade, treinamento de motoristas, manutenção, etc? Quantas vidas ainda terão que ser ceifadas para que haja uma mudança?

Minha sugestão é a seguinte, se a empresa não tem condições ou interesse de investir na frota e qualificar seus serviços, coloque o trecho à disposição de outra companhia que se preocupe com o ser humano e que possa prestar melhores serviços a seus clientes.

Aos passageiros, duas dicas:
Ao viajar, use calçado baixo e confortável, que não precise ser tirado para dormir, porque em caso de acidente, pode acontecer de perdê-lo e acabar machucando os pés caso haja vidros ou estilhaços pelo chão.

Por favor, quando o veículo estiver andando, USE O CINTO DE SEGURANÇA, pois quando menos se espera, acontece... Dos passageiros feridos no acidente que relatei, os casos mais graves NÃO USAVAM CINTO DE SEGURANÇA.

Agradeço a Deus por ter saído ilesa. O uso do cinto contribui para que isso acontecesse.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

03/02/2017   |
24/06/2016   |
27/05/2016   |
12/02/2016   |
12/02/2016   |
22/01/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS