Sábado, 17 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Para refletir...

27/02/2015 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Gabriela Griebler*

A notícia que está nas redes sociais, televisão, sites de entretenimento e por aí segue. Anderson Silva testa positivo no antidoping. Tá, mas e daí? Vamos parar com essa ingenuidade de que no esporte os atletas não fazem o uso de recursos androgênicos. É, eu disse no ESPORTE, alto rendimento/esporte espetáculo e não você que visa apenas a estética e quer ficar com um pernão, bundão, cintura fina e acabou de entrar em uma sala de musculação.

A lista de quem já foi flagrado no exame antidoping é imensa, pois os atletas chegam em um ponto chamado homeostase, no qual precisam de um estímulo externo para dar um "up", seja com mudanças na alimentação, no treinamento e por fim com esteroides anabolizantes. Essa rotina é normal para eles, levando em consideração a perda de rendimento e desequilíbrio hormonal que estão submetidos. Para um atleta de ponta esses são os últimos fatores que devem ocorrer, por isso que a droga deve ser administrada com inteligência.

Vamos elencar alguns motivos que fazem os atletas utilizar essas drogas:
1. Patrocinadores: É uma briga eterna colocar o nome do atleta envolvendo o seu produto, pois há muito dinheiro envolvido e a mídia sempre dá ênfase nas polêmicas, audiência é tudo. Exemplo: Como será que o Neymar ganhou tanta massa magra em pouco tempo? Ele sempre foi um chassi de grilo, foi para o time dos seus sonhos e simplesmente ganhou massa muscular de uma hora para outra. Grande genética!

2. Lesão: Pelo fato de Anderson Silva estar parado decorrente de uma lesão grave, ele precisava de um estímulo maior para recuperação muscular, além do psicológico abalado, por isso que é muito difícil retornar aos treinos com a mesma confiança. Assim sendo, as drogas por ele utilizadas auxiliaram no ganho de massa muscular.

3. Idade: O fator da idade encontra-se presente, pois ter 39 anos não é mesma coisa que ter 20. O metabolismo fica mais lento e as funções vão sendo perdidas, algumas irreversíveis, tais como visão e audição.

Portanto, ESPORTE LIMPO não existe, isso não se chamaria esporte então, pois envolve quebra de recordes, superação, ir ao limite nos treinos, enjoos, náuseas, tontura, falta de ar, treinamentos com duração superior a 5 horas por dia. Isso é saudável? Até um estudo que nos prove o contrário não é saudável, mas devemos entender que essa é a profissão de um atleta, essa é a vida infelizmente curta que eles escolheram para trilhar, como muitos seguem na sua profissão de advogados, médicos, dentistas...

Mas então por que existem essas drogas? Devemos lembrar que no mundo há pessoas diabéticas que necessitam da insulina, pessoas com câncer, em pequenas doses para os idosos que precisam ganhar massa muscular, anoréxicos, ou seja, com o intuito de suprir alguma necessidade para fins terapêuticos/profiláticos.

No momento que tirarem as drogas das competições, elas serão todas iguais e não terá graça.
#reflita

*Acadêmica do curso de Bacharelado em Educação Física da Unijuí - Ijuí



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

09/11/2018   |
19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |
28/09/2018   |
21/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS