Quinta-feira, 29 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Atendimentos no Pronto Socorro pelo SUS no HSVP somente para urgência/emergência

06/03/2015 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
HSVP redimensiona os atendimentos SUS aos percentuais contratados

Medida é decorrente da grave crise financeira, ocasionada pelo  não repasse
da totalidade de recursos contratados e cortes de repasses

O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Três de Maio, integrante da Rede Verzeri, decidiu reduzir a partir desta semana os atendimentos SUS no Pronto Socorro, limitando-se a atender somente os casos de urgência/emergência. A medida foi tomada para reduzir custos com serviços prestados pelo hospital, porém que não são contratados. Esta medida se dá em razão do não repasse de recursos, tanto de ordem estadual como municipal.

Somente serão atendidos os casos classificados como amarelo e vermelho. Os pacientes classificados como verde e azul estão sendo orientados a procurar as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) ou o atendimento em consultórios médicos.

A redução do atendimento se deve pelo alto grau de endividamento que o hospital se encontra, ocasionado pelo não recebimento de recursos junto ao Estado do Rio Grande do Sul, por não cumprir com os contratos de prestação de serviços e deixar de repassar os recursos provenientes do mesmo. A dívida com o HSVP já chega a R$ 2,8 milhões, com valores em atraso desde 2013. Outro ponto que desencadeou a medida foi a impossibilidade de renovação para 2015 dos contratos e o cancelamento de subsídios de ordem municipal, encerrados em dezembro de 2014.

Hospitais em crise
Em 2014, o HSVP registrou um déficit de R$ 150 mil mensais no serviço de Urgência/Emergência. Sem a destinação dos recursos municipal e estadual, a previsão para 2015 é que este prejuízo aumente para R$ 184 mil mensais.

Assim como o HSVP, demais hospitais do Rio Grande do Sul enfrentam uma crise sem precedentes. Desde outubro de 2014, a Instituição busca constantemente alternativas junto ao poder público para manter os serviços, no entanto, sem um retorno concreto. Deste modo, acumula-se um enorme endividamento e corre-se o risco de serem tomadas medidas mais drásticas.

Enquanto uma solução não chega, a Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do RS, juntamente com os hospitais, está em Assembleia Permanente desde o último dia 27, aguardando uma resposta do Governo do Estado acerca dos repasses em atraso e vencidos a partir de 2015. No dia 4, houve uma Audiência Pública com o secretário estadual de Saúde, João Gabbardo, quando os representantes do HSVP e da Rede Verzeri acompanham as negociações.

FOTO: ASSESSORIA COMUNICAÇÃO HSVP

Confira a matéria completa no jornal impresso.






Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

02/06/2017   |
19/05/2017   |
13/04/2017   |
10/04/2017   |
24/03/2017   |
20/01/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS