Segunda-feira, 11 de dezembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1487
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

ADOLESCÊNCIA, ADOLESCENTE, ADOLESCER

17/04/2015 - Por Arlete Salante
Tweet Compartilhar
A fase da vida em que nos encontramos entre a infância e a idade adulta possui uma mentalidade própria. É uma fase linda de descobertas e ao mesmo tempo difícil, sofrida e conturbada para muitos jovens.

São momentos crucias que constituem uma etapa decisiva de desprendimentos absolutamente necessários. Muitos pais e mães não compreendem ou relutam em se deparar como os anos passaram, também para eles.

A explosão de vida na adolescência traz as mudanças biopsicossociais, ou seja, tudo ao mesmo tempo no agora!

Biologicamente muita coisa muda. O corpo toma novas formas que alteram também a autoimagem. Psicologicamente o adolescente não se reconhece mais como criança, mas oscila entre comportamentos infantis e imperativos adultos.

A adolescência faz ver a família e a sociedade. Isso significa perceber e apontar suas falhas e incoerências ou ainda, se rebelar contra todos e tudo.

Os filhos tornam-se testemunhas implacáveis e denunciantes das frustrações dos familiares, expressando com revolta, sofrimento e até adoecimento psicológico, a realidade do seu contexto familiar. Enxergam a sujeira varrida para de baixo do tapete e muitas vezes não sabem o que fazer com estas angústias.

O adolescer é uma força criativa que pode fazer com que a família também se renove e acorde para seus desejos não realizados, suas negações e acomodações. Já a acusação destrutiva "aborrecente" tira a credibilidade das percepções do adolescente, especialmente se as famílias apenas os apontam como problema e não os preparam para serem grandes. Muitos, mais tarde, repetem o padrão familiar que recebeream.

Ainda que seja assim, é preciso dar certos limites, porque pela força vital que explode em seus corpos, acreditam estar fora de qualquer perigo e não sabem como conduzir tanta vitalidade, que parece ser interminável. Por outro lado sofrem de preguiça e abandonam a possibilidade de investir-se em benefício próprio. Ou ainda, entram num mero biologismo, exaltam o erotismo, a emocionalidade e a sexualidade. Antecipam a vida sexual sem maturidade psicológica e emocional, mas respaldados no pseudoargumento que é "normal", "todos fazem". Resumem seu conhecimento ao uso de anticoncepcional ou camisinha, como se a compreensão da sexualidade estivesse em evitar doenças e filhos, ledo engano!

Fato é que adolescer é um momento de ouro, mas que precisa ser bem conduzido para obter resultados conforme a própria identidade.

Um excelente momento para psicoterapia com base Humanista-Existencialista que prima pela autorrealização do projeto existencial, que direciona o ser humano a realizar a si nesta existência, enfrentando com coragem suas dificuldades e melhorando o mundo em que vivemos.




Indicar a
um Amigo

Comentários

graci
19/04/2015
adorei, estou passando por isso , no momento tenho uma filha de 15 anos, cheia de personalidade, ai fica tao difícil nao sei quando devo dizer nao, se estou exagerando ou se estou mole demais, para os pais também e um momento de transformação, pois temos que deixar o nosso lindo bebe, e começar a tratar com uma pessoa que nao e adulto mas tmb nao e criança. Mas fazer isso com todo o amor que a ne
Deixe a sua opinião

Veja Também

15/04/2016   |
08/04/2016   |
01/04/2016   |
24/03/2016   |
18/03/2016   |
11/03/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS