Sexta-feira, 24 de novembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1484
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Produtos básicos para o dia a dia pesam no bolso do consumidor

19/06/2015 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Consumidores percebem aumento, principalmente, em produtos alimentícios. Inflação seria a principal causadora dos preços altos

O aumento do alimentos está causando grande impacto no bolso dos consumidores brasileiros, no primeiro semestre de 2015.  Os alimentos respondem por quase 25% do orçamento das famílias brasileiras. Mesmo com o período de entressafra, que todos os anos causa um aumento em produtos da linha de hortifrutigranjeiros, a inflação se tornou a grande responsável pela mudança no preço de produtos de todas as linhas. Tiago Benedetti, proprietário de um supermercado de Três de Maio, revela que a alta se deu em torno de 10% a 15% em praticamente todos os produtos. "É tradicional na linha de hortifrutigranjeiros, oscilar. Alguns produtos sobem muito e outros nem tanto. O maior aumento foi registrado nos preços das carnes, materiais de limpeza, enlatados e matinais", avalia.

Para ele, o principal fator que causou o aumento no preço dos produtos é a inflação e a oscilação do dólar. Além disso, ele explica que muitas empresas também se aproveitam da situação para ganhar mais com os produtos. "Subiu 10% ou 12%? Vamos subir um pouquinho mais para aumentar o lucro", revela.

Consumidores são os mais afetados pelos altos preços
Para o consumidor, que sente no bolso a alta da inflação, os índices que o governo apresenta não condizem com a realidade na hora das compras. "Na média geral, eu noto que todos os produtos subiram de 15% a 20% no último meio ano. A inflação está aí, o consumidor sente isso na pele. Embora os índices que o governo demonstra sejam outros, a gente, que usa o mercado como fonte de referência, nota que não é isso que eles dizem", afirma o consumidor Inácio Menegat, Médico Veterinário que atua como servidor público no município.

Para ele, usando apenas um produto como referência, é possível analisar o quanto a alta nos valores está atingindo os consumidores. "A cebola, por exemplo, que em questão de um ou dois meses, subiu 100% ou mais. Tudo está aumentando exageradamente. Antes, com R$ 50,00 dava para comprar o pão, leite, açúcar, uma carne, e saíamos satisfeitos. Agora, os mesmos produtos não se compra com menos de R$ 70,00 ou R$ 80,00", destaca o consumidor.

O leite, produto essencial na alimentação, também acumula aumento
O leite, um dos produtos considerados essenciais para o dia a dia, principalmente em famílias com crianças, também esta pesando no bolso dos brasileiros. Marta Tibola Rosincke, chefe de loja de outro supermercado da cidade, revela que com o reajuste no preço pago pelas indústrias aos produtores de leite, o aumento acabou sendo  repassando para o consumidor.

Outro fator que está influenciando no preço do leite é a falta de oferta do produto. "A falta de leite também é um dos motivos que impulsiona o aumento dos preços. Foram perdidos, nos últimos meses, muitos pequenos produtores, o que acabou gerando uma escassez do produto e aumentando o preço, que sobre todas as semanas, em média, de R$ 0,08 a R$ 0,10", informa.

FOTO: ANDERSON BAUER

CONFIRA A MATÉRIA COMPLETA NO JORNAL IMPRESSO





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

16/01/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS