Sexta-feira, 28 de abril de 2017
Ano XXIX - Edição 1454
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Bullying Escolar...

28/09/2012 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
Ainda não escrevi sobre Bullying, apesar de algumas pessoas já terem enviado e-mails pedindo. Ainda não havia surgido a oportunidade. Mas, com a notícia que li ontem resolvi escrever...
Bullying é um termo da língua inglesa (bully=valentão) e se refere a todas formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, sem motivação, causando dor e angustia, intimidando alguém em uma relação desigual de força e poder. É comum na escola, principalmente nas séries iniciais.
Bom, feita a introdução, vamos a história. Em São Leopoldo uma professora da rede municipal resolveu apelidar uma aluna de "Maria tortinha" ou simplesmente "tortinha". A jovem de 14 anos tinha um problema congênito (desde o nascimento) no pescoço. O apelido logo se espalhou entre os colegas de turma e a menina começou a se sentir constrangida. Não demorou muito e a jovem deixou de assistir as aulas em razão do constrangimento...
A família da jovem não tolerou o descaso. Resolveu contratar um advogado e processar o município, afinal, a escola é municipal !
Em sua defesa o município de São Leopoldo alegou que a professora não sabia que a menina tinha um problema no pescoço e disse ainda que a professora chamou "carinhosamente" a menina de "tortinha", pois achou que ela tinha um torcicolo...
A juíza da 5ª. Vara Cível de São Leopoldo não aceitou a tese de defesa e condenou a município a indenizar a menina em R$ 5 mil por danos morais. O município recorreu da decisão, por não concordar com a condenação e a menina também recorreu pedindo que a indenização fosse aumentada.
O caso parou na 9ª. Câmara Cível do Tribunal de Justiça em Porto Alegre. Lá, os desembargadores entenderam que, em razão de a professora municipal ter atribuído um apelido depreciativo a aluna, que foi alvo de praticas vexatórias por parte dos colegas, causando-lhe constrangimento e humilhação a ponto de não querer frequentar mais as aulas, deve sim o município indenizar a estudante, e o valor foi aumentado para R$ 10 mil. Consta no processo que a escolta tentou uma reaproximação da professora com a aluna e que a professora depois do problema criado se retratou perante toda a turma, mas isso não resolveu o problema da jovem.
Ora, sabemos que é na escola que surgem os apelidos, as brincadeiras, algumas de mau gosto e outras práticas entre os colegas. O que não se pode tolerar é que isto tenha partido de uma professora.
No meu tempo de piá nem existia este termo (bullying) e tínhamos que aguentar "no osso do peito" as brincadeiras de mau gosto. Hoje tudo mudou. Existe uma proteção maior. Todos estão de olho em tudo. A própria sociedade consegue fiscalizar certas atitudes que antes ficam dentro dos muros escolares. É o mundo moderno: não me ofenda, que não te processo!

Das minhas leituras da madrugada:
"O Deus que dá fardos pesados, dá também ombros
para carregá-los"- Bashevis Singer

Um ótimo fim de semana a todos...



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS