Terça-feira, 20 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1534
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Um salve ao sensacionalismo

10/07/2015 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Gustavo Griebler*

Há alguns dias atrás, fomos noticiados com a morte de dois expoentes da cultura, cada um em sua área, claro que para mim um muito mais do que outro, haja vista o meu total desconhecimento de um, mas me falaram que ele tinha uma importância grande, pois sua música tocou até na novela das 9 da Globo.

Falo de Nico Fagundes e Cristiano Araújo. O primeiro foi sempre um símbolo para nosso Estado, em especial pelo cultivo de nossas tradições e pelo fato de ter criado os versos de um verdadeiro hino do Rio Grande que é o Canto Alegretense. O segundo, confesso não conhecia, mas com uma pesquisada fiquei sabendo que um de seus grandes sucessos tem como letra "bara bara bere bara bere", em que em um vídeo o próprio cantor em tom irônico diz que é a letra mais difícil do Brasil.

Claro que para a grande massa da população brasileira é muito fácil cantar isso em comparação com o grande Canto Alegretense, que em alguns momentos chega até a nos confundir com versos como "Flor de tuna, camoatim de mel campeiro |Pedra moura das quebradas do Inhanduí". Uma pesquisa no Google nos ajudaria a entender um pouco melhor isso, mas talvez poucos se atrevam a isso, desistindo rapidamente da música e da letra difíceis.

Mas claro, uma morte de acidente de um grande e jovem ícone do sertanejo universitário vende mais jornal, gera mais acessos em site e dá mais audiência na televisão do que a de um tradicionalista de um Estado que gera repulsa a muita gente do Brasil que compôs versos muitas vezes não entendíveis para a grande massa.

Em meu Facebook, nem cheguei a comentar a morte de Cristiano Araújo, até porque nem conhecia. Confesso que escuto um pouco de sertanejo universitário, pois algumas coisas são até interessantes, mas fico em Gusttavo Lima, Luan Santana e Michel Teló. Mais que isso não. Comentei em minha rede do Nico, dizendo que o Canto Alegretense ficou órfão mas que jamais perderia sua importância e valor para nosso Estado aguerrido.

Enfim, descansem em paz, Nico e Cristiano. Mas você, Cristiano, ao topar com Nico onde quer que vocês estejam, converse muito com ele para entender muito sobre música. E viva o Alegrete, viva o Rio Grande!

* Mestre em Educação nas Ciências.
Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico e Coordenador Geral de Ensino
Substituto do Instituto Federal Farroupilha -

Câmpus Avançado Uruguaiana




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

16/11/2018   |
09/11/2018   |
19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |
28/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS