Terça-feira, 12 de dezembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1487
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A Parapsicologia mais perto de você - Um módulo temporário

21/08/2015 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
Nesta edição da coluna, o entrevistado é Sidnei Budke, natural de Três de Maio. É Mestre em Teologia com ênfase em Comunicação. Possui formação complementar na área terapêutica pelo Wartburg Theological Seminary e pela University of Chicago. Integra programas de apoio a pessoas com sintomas de depressão. Desde 2010 colabora no desenvolvimento de módulos terapêuticos em todo país.  
Contato: sidneibudke@gmail.com

O que é Parapsicologia?
Em 1889 surge o termo "Parapsicologia" sugerido pelo filósofo alemão Max Dessoir. Os líderes de maior expressividade no contexto brasileiro: o Padre Quevedo, um dos pioneiros e fundador do CLAP (Centro Latino Americano de Parapsicologia) e o Dr. Pedro Antônio Grisa (fundador do Sistema Grisa). A Parapsicologia busca a causa da desarmonia, dos conflitos internos e as soluções necessárias para que o ser humano encontre respostas as inquietações. A Parapsicologia sugere que é possível vencer os obstáculos mais difíceis através de um conhecimento profundo da realidade de cada pessoa. A parapsicologia aposta no potencial que cada ser humano carrega dentro de si mesmo para alcançar os objetivos de vida, o principal deles: o de ser feliz!
O que seria um módulo terapêutico e como surgiu a ideia?
Em 2007 participei pela primeira vez de um módulo terapêutico na cidade de Joliet, Estado de Illinois (EUA). O primeiro módulo contou com a presença de mais de 3.000 pessoas.  Eu mesmo fiquei surpreso com a quantidade de pessoas a procura de respostas às mais diversificadas situações. A ideia surgiu de uma necessidade coletiva, isto é, do povo. Basta olharmos a nossa volta para perceber, é preciso investir mais no ser humano!

Como e onde vai funcionar?
Os módulos terapêuticos percorrem o país e ocorrem através de palestras públicas destinadas à população. Atendimentos individuais se fazem necessários, mas precisam ser agendados com antecedência. Os locais são diversificados e anunciados pelos meios de comunicação: jornais, rádio, folders. Há uma tendência da região noroeste (RS) ser contemplada.

Quem são os profissionaisenvolvidos neste projeto?
No Brasil há centenas de profissionais envolvidos: teólogos, médicos, psicólogos, profissionais das mais diversificadas áreas. Através de um acompanhamento terapêutico as pessoas são direcionadas a investigar quais razões impedem a concretização dos objetivos de vida. Quando uma situação conflitante não é resolvida a mente humana possui a capacidade de armazená-la. Há pessoas que choram durante horas em um único módulo terapêutico. O choro nem sempre é de tristeza, mas porque elas conseguem colocar para fora o excesso de coisas armazenadas. E todos sabemos como é importante esvaziar-se das coisas ruins para dar o devido lugar as coisas boas.

A correria do dia-dia está nos deixando doentes?
A correria faz bem se for conduzida de forma saudável. As pessoas não nascem para levar uma vida "parada". O desafio consiste: o que fazer durante a "correria"? Há pessoas com um potencial gigantesco, mas investem tempo e saúde em circunstâncias que não trazem resultados positivos. Aí surge o vazio, a frustração, o desânimo, a depressão. A parapsicologia oferece auxílios para encontrar sentido tanto na vida pessoal como profissional.

Na pratica o que podemos esperar?
Um péssimo hábito é esperar que soluções "caiam do céu". Os grandes sábios da humanidade defenderam a necessidade de conhecer as nossas dificuldades para encontrar formas de superação. O Padre Fábio de Mello em seu livro "Tempo de Esperas", diz: "entre o sonho e a realização existe a espera".  A espera é muito importante. Diante de uma "espera" surge o desejo para o "salto" (transformação) que ainda falta.  Qual é o "salto" que os vocês procuram?

Qual a mensagem aos nossos leitores?
Há um grau elevado de pessoas com depressão, ansiedade, sentimentos destrutivos, situações que interferem na qualidade de vida. Muitas pessoas não priorizam o investimento pessoal e um tempo apropriado ao bem-estar! A desculpa é sempre a mesma: a falta de dinheiro, a falta de apoio, a falta de prioridades, a falta de tempo. Diante disso, pergunto: qual é o real valor da nossa vida? Uma pergunta que deveríamos fazer várias vezes. Numa era de grandes transformações sociais é preciso reunir esforços para possibilitar uma vida feliz: migrar do negativismo ao positivismo, do medo à coragem, do desânimo à esperança. Como diz, Marta Medeiros: "faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade". A parapsicologia explica através desta simplicidade, de técnicas e módulos terapêuticos, os caminhos para a superação de nossas dificuldades. As respostas, muitas vezes, estão em nós mesmos.





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

08/12/2017   |
01/12/2017   |
24/11/2017   |
17/11/2017   |
10/11/2017   |
03/11/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS