Segunda-feira, 27 de maio de 2019
Ano XXX - Edição 1558
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para Consumo

05/02/2016 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar

À GUISA DE COMENTÁRIO - QUE EDUCAÇÃO NÓS QUEREMOS? Obviamente, depende muito da idade das pessoas, da situação econômica, da cultura, da ideologia e quejandos, para se saber que tipo de educação queremos. Os cidadãos de outros tempos, quando a educação era rígida, vão querer que o plano educacional seja rigoroso. A geração mais nova, todavia, busca outros patamares educacionais, com tonalidades mais suaves, sem os rigores da educação dos pais e avós. Também não é só isso. Jamais haverá sintonia entre os educadores de classes de baixo poder aquisitivo e dos abonados. A classe pobre se satisfaz com o minimamente indispensável e os bem de vida exigem preparação qualificada. E fazem parte deste quadro educacional que busca e não encontra soluções, os picados pelo inseto das ideologias. Há que convir ainda que o nosso País é uma colcha de retalhos de culturas diversificadas. Como, pois, buscar uma unidade educacional para a atual geração da gente brasileira? O que se quer, todavia, é que nossa Educação funcione e prepare o cidadão para a vida. Como? Aí que estão elas! Queremos a Educação melhor possível. 

O ANO DOS SUSTOS - Quase com certeza, o ano de 2.016 será o ano dos sustos. Haverá sustos e mais sustos, quando vêm as contas de luz, água, telefone, impostos. E o susto maior será toda vez que o consumidor vai ao supermercado ou até a loja. E os serviços também vão pregar sustos? 

O QUE É PRIORITÁRIO? - Nesta altura dos acontecimentos, o que realmente é prioritário? Seria a Educação, a Saúde, a Segurança ou o Emprego? Logicamente vai depender das circunstâncias. Para o desempregado, o emprego é mais importante. Para quem estuda, a Educação é mais importante. Mas genericamente falando, nada é tão importante e prioritário do que a Segurança.

É MUITA FALAÇÃO E REUNIÃO E POUCA AÇÃO. Infelizmente, esta é a realidade do nosso tempo nas administrações públicas. Haja vista o caso da governança de nossa presidente. 

AGENDA POSITIVA - É criatividade de nossa presidente. Nunca nos foi dito o que é uma agenda positiva e de como ela precisa ser encaminhada. Anunciar medidas para conter a inflação seria uma agenda positiva? Talvez, o programa de créditos de R$ 83 bilhões seja um agenda positiva. 

A CORRUPÇÃO É APARTIDÁRIA E ENDÊMICA. Ladrões há em todos os partidos e por toda parte. A torcida é por melhores tempos. Espera-se que alguma liderança do governo se levante contra a roubalheira. Até estão roubando bilhões da merenda escolar e do transporte escolar. Pode?

CATÁSTROFE - Não apenas a economia está sendo catastrófica. O clima também está com cara feia. Estão acontecendo muitos episódios climáticos estranhos pelo Rio Grande e País afora. É muita chuva, vendavais e até granizo. Isso tudo somado deixa a população assustada. Tudo porque o El Niño está nos visitando. 

HORAS EXTRAS - O xodó dos servidores públicos são as horas extras. Se o administrador público se descuida tem funcionário ganhando mais de sobre-horas do que de salário. Não é o que acontece na iniciativa privada. 

CUIDE BEM DO SEU ANIMAL - Se ele for para a rua, pode morrer debaixo das rodas de algum irresponsável ou ser recolhido por algum interesseiro. A vida dos cachorros está a perigo. 





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/05/2019   |
10/05/2019   |
04/05/2019   |
26/04/2019   |
12/04/2019   |
05/04/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS