Terça-feira, 18 de junho de 2019
Ano XXXI - Edição 1562
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A Coluna do J

15/04/2016 - Por J Moraes
Tweet Compartilhar

ALTA TENSÃO - O Brasil  chegou a uma encruzilhada. O que ocorrer nos próximos dias vai mudar a história do país. Para melhor ou para pior, só o tempo vai dizer. Se a Câmara dos Deputados decidir pelo afastamento da presidente, não vai ser tranquilo,  o tempo vai  esquentar. Quem diz isso são políticos ligados ao governo.  Se a decisão for pela permanência da presidente, também terá desdobramentos imprevisíveis.  Se a decisão chegar  ao Senado, onde ocorrerá o veredicto, aí então  tensão será máxima, e tudo pode acontecer.


A ONU DE OLHO - Os ânimos estão acirrados de ambos os lados. Há quem diga que estamos sentados em cima de  um barril de pólvora.  A preocupação com o que pode acontecer aqui chegou até a ONU. O organismo internacional temendo as consequências, está de olho no Brasil. Tomara que  as instituições brasileiras  encarregadas de manter  a segurança e a ordem nesse país, estejam cientes disso.


SEM DESTINO -   O  que fazer com lixo  seco de grande volume  no momento de descartar?  Por exemplo: móveis, eletrodomésticos, caixas, isopor, embalagens de plástico etc. É o que muita gente quer saber. Em Três de Maio quando o tinha  o  Cigres, era lá o endereço...E agora? 


VALE TUDO -  É um problemão, e quem tem que solucionar é o poder público. A impressão é que existe um vácuo na lei. Existe regulamentação apenas para o lixo doméstico, o seco e o orgânico. Já no que se refere a entulhos e o lixo pesado que produzimos ninguém sabe o que fazer, e  parece que não existe lei. Se existe ninguém cumpre, e ninguém fiscaliza. É um autêntico vale tudo.


SE DESESTRUTURANDO - MESMO com todo o esforço dos profissionais  o atendimento a saúde nos hospitais está comprometido. Não poderia ser diferente. Todas as casas de saúde, absolutamente todas, demitiram profissionais em praticamente  todas as áreas. Com isso o que já não era bom, piorou.


A SALA DA DOR - Nas  emergências é comum esperar mais de uma hora para ser atendido. Também é comum ver  pessoas  gemendo de dor ou passando mal, aguardando tempo demais para serem atendidas. Uma hora para atender uma situação de  emergência  pode  ser  muito tempo.  Segundo  preconizam as autoridades  médicas, quanto mais rápido for o atendimento, mais chances tem o paciente.


E O PIOR nem é isso. O pior é que o que está  ruim, tem tudo para piorar.  Recursos  para a saúde cada vez diminuem mais. Alguns convênios como o IPE,  por exemplo, a cada dia tem menos profissionais, e os que  estão  atendendo, em algumas especialidades a espera  chega há quase um ano. Uma ver-go-nha. Enfatizo, na  maioria dos casos a culpa não é dos profissionais. Mas é claro, existem exceções.


CALIBRANDO - BRASÍLIA vai viver o domingo mais tenso da sua história. Capitão Paulo Rogério é o novo comandante da Brigada Militar de Três de Maio. FEIRA do livro  é atração até sábado em Três de Maio. APRESSADINHOS abusam da velocidade na ERS- 342  entre Três de Maio e Horizontina. ACABA  DIA 22 o turno único na prefeitura de Três de Maio. O DESEMBARQUE dos partidos que apoiavam o governo Dilma, mostra o oportunismo dos políticos brasileiros. COM o toma lá da cá  da oposição em troca de votos, o governo petista  prova o próprio veneno. 


ÓTIMO FIM DE SEMANA  curtindo o imortal Cazuza, dando um play em "Brasil".




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

23/12/2016   |
16/12/2016   |
12/12/2016   |
02/12/2016   |
25/11/2016   |
18/11/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS