Sábado, 17 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Royalties: uma espera sem fim

25/04/2016 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Unidades de Pronto Atendimento fechadas, vagas insuficientes na educação infantil, ambulâncias paralisadas, falta de medicamentos e estudantes sem transporte escolar. São diversos danos que a carência de recursos para saúde e educação traz à população. Todos esses problemas, no entanto, poderiam ter sido minimizados consideravelmente, há mais de três anos, com apenas uma resolução: a entrada em vigor da nova lei dos royalties do petróleo.
 Em 2012, o Congresso aprovou uma norma que previa a redistribuição mais justa de receitas provenientes da extração dessa riqueza para estados e municípios. O texto foi sancionado pela presidente Dilma Rousseff em março de 2013. Todavia, atendendo a uma ação proposta pelo Governo do Rio de Janeiro, a ministra Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu os efeitos da lei até sua discussão em plenário.
 Desde então, a matéria não foi analisada pelo STF. De lá para cá, mais de R$ 900 milhões deixaram de chegar ao Rio Grande do Sul, segundo dados aferidos pelo Royaltômetro - ferramenta digital criada pela Famurs para contabilizar o prejuízo. A cada mês, são R$ 24 milhões que não chegam aos cofres das prefeituras e do Estado.
 As perdas são enormes. Com os R$ 675 milhões que teriam sido investidos em educação, seria possível construir 561 creches ou comprar merenda escolar para mais de 2,4 milhões de alunos ao ano. Na saúde, em que o valor atingiria R$ 225 milhões, poderíamos erguer 73 UPAs, ou adquirir 1.492 ambulâncias do SAMU. Sem essas verbas, o que vemos é o oposto: dificuldades e transtornos impostos à população.
 Estamos buscando uma agenda com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, para solicitar agilidade à tramitação do processo. Além disso, uma comissão de prefeitos irá a Brasília para reforçar o movimento pelos royalties. É urgente que tenhamos uma resolução para esse impasse. Estamos exigindo apenas o que é justo para o Estado e os municípios. Com mais recursos, poderemos construir outra realidade para a saúde e a educação dos gaúchos - dando fim a uma espera que parece sem fim.
 
           Paparico Bacchi - Vice-presidente da Famurs
 (Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul) e prefeito de São João da Urtiga




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

09/11/2018   |
01/11/2018   |
26/10/2018   |
19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS