Quarta-feira, 24 de julho de 2019
Ano XXXI - Edição 1567
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para Consumo

08/07/2016 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - DEPOIS, SEMPRE DEPOIS - Vou ver isso depois. Agora não tenho tempo. Vou ver isso depois. E o assunto é empurrado com a barriga. Isso acontece sempre quando o assunto não interessa. Mas, quando entra em jogo dinheiro, o assunto interessa. E como interessa! Vou ver isso já. Vou ver isso agora. Me dá um tempinho. Este é o procedimento de muitos profissionais. Quando o interessado é um coitado e não tem nada no bolso, nem na conta, pode perder a esperança. O assunto não interessa. É por isso que muitos assuntos nunca são resolvidos. Ou alguém acha que haja quem trabalha de graça? De graça só relógio, se dizia nos tempos idos. Hoje, nem o relógio, porque para funcionar ele precisa de pilha. Quando o assunto é urgente ou de precisão, o coitado sem dinheiro não tem vez. Por isso, é muito ruim ser pobre. Ninguém tem pena de pobre coitado. E há muitos pobres neste mundo, onde moram tantos ricaços que não sabem o que fazer com a fortuna, muitas vezes mal havida. Santo Deus, não vamos deixar para ver depois o castigo que estes deveriam receber.
PREÇO PROIBITIVO - O do feijão. Em alguns lugares, o preço do quilo de feijão chegou aos R$ 14,00. Tudo por causa do tempo: muita chuva no Sul e seca no Nordeste. O Brasil, o país do feijão, está importando feijão da China, do Paraguai e da Argentina. O governo baixou a alíquota de importação do produto de 10% para zero por cento. Eta tempos bicudos! Na próxima safra tudo será diferente. 
QUEM DIRIA! O estado de Goiás é modelo. O primeiro estado a fazer um ajuste fiscal pra valer. Cortou as secretarias, reduzindo-as para 10. Extinguiu 5.000 cargos. Reduziu o custeio em 90% e está fazendo uma economia de R$ 3,5 bilhões. E com isso o PIB cresceu 8,2. Goiás já é o campeão nacional na geração de empregos: mais de 8.000 novas vagas em março/abril de 2016. Quem diria! 
DEPOIS DO TEMPORAL VEM A BONANÇA. Isso também vale para a economia. 
SINAIS TÍMIDOS - Já há tímidos sinais mostrando a recuperação da economia. A produção industrial tem alta acumulada de 1,5% em dois meses, março e abril. 
QUE BOBAGEM! Produtores arrancam árvores de erva-mate por causa do baixo preço. É muita bobagem, porque na falta do produto o preço vai extrapolar. Seria a mesma coisa o produtor de leite matar as vacas por causa do baixo preço do leite. Os preços oscilam de acordo com a oferta. No entanto, é incoerente o que está acontecendo: os produtores da erva-mate ganham menos de R$ 10,00 pela arroba e no comércio o quilo de erva está em torno de R$ 10,00. É igual ao caso do leite.O produtor ganha em torno de R$ 1,00 por litro e no comércio já se paga acima de RS 4,00. 
TORNOZELEIRAS - Não demora e vão faltar tornozeleiras eletrônicas, tantos são os condenados a sair das cadeias, mas tendo que usar esta prisão domiciliar eletrônica. Quem controla tudo isso?
QUE COISA! O real subiu 19,6% em junho e foi a moeda mais valorizada do mundo em relação ao dólar no mês. O mercado financeiro baixou a estimativa de 13,25% para 13% ao ano para a taxa básica Selic no final deste ano. Atualmente, a taxa está em 14,25% ao ano. Já para o fechamento de 2017, a estimativa para a taxa de juros ficou estável em 11,75% ao ano. A economia começa a respirar.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

19/07/2019   |
12/07/2019   |
05/07/2019   |
28/06/2019   |
21/06/2019   |
07/06/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS