Segunda-feira, 12 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Eles estão de volta!

03/10/2016 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar

Gustavo Griebler*

Eles voltaram. Sim, a cada quatro anos vemos quase sempre os mesmos rostos, os mesmos sorrisos forçados, as mesmas propostas, os mesmos dizeres. "Vou cortar gastos, vou construir hospitais, escolas, aumentar o salário do trabalhador". Este é o discurso padrão. No momento da posse, porém, muitos veem que as coisas não são bem assim. Os 'interésses', como dizia Brizola, um dos poucos políticos que se salvam pelas suas realizações tanto aqui como no Rio de Janeiro, têm de ser atendidos.
Muitos dos políticos que agora estão em campanha sempre irão pedir seu voto, ainda mais em eleições municipais, que faz tempo já deveriam estar unificadas com as nacionais, em que a proximidade com as pessoas é muito maior. Muitos criam musiquinhas legais que viram bordões, muitos criam sequências infalíveis para votar, como 12345, 11111, 13013, 22222, além dos famosos dizeres como "Pior que está não fica", "Vote nele e se ele não fizer um bom governo nunca mais vote em mim".
Os candidatos a prefeito costumam ser pessoas melhor esclarecidas tanto nas suas propostas como em suas carreiras. E aqui não desrespeito os vereadores, em hipótese alguma. Somente digo que para você concorrer a um cargo superior em que muitas vezes estará sozinho para defender um determinado local você deve ter caminhada, deve ter entendimento, deve ter estudo e sobretudo muito 'jogo de cintura', quando falamos em Brasil.
Aproveitando o espaço, não podemos deixar de falar do atual cenário pós-PT no comando do País. O PT teve seu tempo, mais precisamente quase 14 anos ininterruptos. Em 12 de maio de 2016, como o partido definiu, sofreu seu primeiro golpe. Em 31 de agosto, o golpe derradeiro. Depois de Collor, que em seu discurso de agora no Senado defendeu-se de seu impedimento em 1992 dizendo que ele foi destituído por um grupo de forças mostrando que agora realmente havia crimes cometidos pela presidente, Dilma sofreu seu impedimento. Talvez tenha sido um golpe, talvez tenha sido o correto mesmo, porque relatórios e mais relatórios mostraram que a presidente da República não cumpriu a Constituição Federal, que prometeu seguir por ocasião da posse. Dilma 'pedalou' e não foi somente em sua bicicleta em Porto Alegre.  Ela 'pedalou' repasses de dinheiro, pediu créditos sem autorização do Congresso, enfim, alguns porquês para pedir o impedimento de uma presidente. E Eduardo Cunha queria fazer isso. Antes que ele saísse de onde estava, e o processo não desse seguimento.
Apesar de tudo isso, tem-se de ver que os trabalhadores chegaram ao poder. Ficaram de 2003 a 2016 no poder, retirando o governar para as elites, governar para os ricos. Muitos direitos foram concedidos aos trabalhadores, quem alimenta realmente este País. Tentou-se diminuir um pouco as injustiças. O fato de que muitos têm pouco e poucos têm muito. Não se pode esquecer que o PT, dentre tantas denúncias, criou dezenas de escolas técnicas públicas federais e universidades públicas federais, permitindo que muitos tivessem acesso a uma educação que talvez nunca teriam. Criou o PROUNI, permitindo que muitos que nunca teriam oportunidade frequentassem a universidade privada sem pagar nada ou pagar uma parte. Muitas foram as dívidas geradas, muitos foram os escândalos escancarados. 
Mas é hora de mudar. O governo para a elite do Brasil voltou. Talvez uma era de privatizações. Talvez uma era de mais escândalos que muitas vezes são escondidos, ou varridos para baixo do tapete. O PT voltou a ser oposição, como muito tempo foi. Que agora se reorganize se quiser chegar ao poder novamente. Que olhe a sociedade, que continue de olho como situação, para que denuncie eventuais ou corriqueiros escândalos. Deixe a situação reorganizar financeiramente o País para o crescimento retomar. Precisamos de ordem e progresso, mas não esqueçamos que precisamos de um país de todos, de um país sem miseráveis e, acima de tudo, precisamos de uma pátria realmente educadora.
Voltando ao assunto primeiro do artigo, que em outubro o voto seja consciente, cidadão e democrático. Que vençam os melhores e estes realmente se mostrem os melhores. Esperamos.


* Mestre em Educação nas Ciências. Professor 
de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico e 
Coordenador Geral de Ensino Substituto do Instituto Federal Farroupilha -
Campus Avançado Uruguaiana




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

09/11/2018   |
19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |
28/09/2018   |
21/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS