Quarta-feira, 18 de julho de 2018
Ano XXX - Edição 1516
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A Coluna do J

07/10/2016 - Por J Moraes
Tweet Compartilhar
NOVO MAPA: As eleições municipais redesenharam o mapa político da região.  Os partidos que saíram mais fortalecidos na região foram o PMDB e PP cada um com seis prefeituras. O PTB e o PDT cada um venceu em dois municípios, enquanto PPS, PSDB, PC do B e PT venceram em um  município da região.  O PT foi o grande derrotado, perdeu muito espaço. Já não está entre os maiores partidos do país e nem da região. 
IMPROVISO: Em Três de Maio, mesmo com uma boa administração de Casali e  a união de dois grandes partidos (PP - PMDB) não foi possível derrotar o favoritismo de Altair Copatti. A situação pagou caro por não preparar uma candidatura para fazer frente ao eterno candidato petista. Teve quatro anos para isso, decidiu 60 dias antes das eleições. Luís Fernando Cereser e Mario Machado foram para o sacrifício sem um discurso definido. Mesmo com o desgaste do PT, não deu. Que sirva de exemplo. 
ESTILO LAJUS: Em Horizontina, Antônio Lajus sem pirotecnia e com uma proposta simples e transparente atropelou seus adversários. A vitória de Lajus demonstra que não é preciso um  partido forte para ganhar uma eleição. Basta ter um nome que inspire confiança e credibilidade junto ao eleitor. E isso Lajus angariou, com posicionamentos fortes, firmes e decididos durante os seus quatro anos como legislador. Se souber escalar um bom time, tem tudo para fazer um bom governo. 
ESPERANÇA NOS NOVOS: Mais uma vez o PP, o outrora grande partido, foi o grande derrotado em Horizontina. Com o afastamento de Colato, o partido perdeu a direção. Sem uma liderança que conseguisse unir o partido, rachado desde a convenção, seguiu rachado nas eleições, e deu no que deu. Menos mal que das urnas surgiram nomes que podem devolver a esperança aos progressistas. Rui Hirt, que sempre foi um homem de partido, foi para o sacrifício sabendo que a luta seria inglória.  
ESTRATÉGIA EQUIVOCADA: Mesmo com uma boa administração e com importantes conquistas, Nildo Hikcmann acabou nocauteado pelo desgaste do PT e por equívocos cometidos durante a campanha. Apelação e agressão gratuitas a adversários é tiro no pé. O eleitor não tolera. Se não como explicar, mesmo com a oposição dividida e pesquisas favoráveis, uma derrota por uma diferença incomum na história das eleições de Horizontina. 
CALIBRANDO - BONS DE VOTO:  Lucas Stoll e  Diogo Weiss renovam as esperanças do PP de Horizontina. 1452 VOTOS: esta foi a estrondosa votação da vereadora Zuleika Wehner, do PTB, de Horizontina. EM TRÊS DE MAIO, do alto dos seus 1.071 votos, Marcos Corso surge como nova liderança e  esperança dos progressistas. COM mais de 700, Josias Corrêa, pelo desconhecido PRB, foi outra grande surpresa. VERA Kühler e Lúcia Marmitt serão a saudada volta das mulheres à Câmara de Vereadores. A RENOVAÇÃO em Três de Maio atingiu Jorginho, detentor de sete de mandatos, e Lírio Roque da Rosa, de cinco. Em Horizontina, Chico Padoim, Álvaro Calegaro e Gerson de Moura também perderam espaço para os novos. ALGUÉM já disse: renovar é preciso. NULOS, BRANCOS e abstenções, os  grandes vencedores das eleições.
ÓTIMO FIM DE SEMANA, torcendo que pelo menos parte das promessas de campanha sejam cumpridas, curtindo uma balada de Guilherme Arantes, dando um play em 'Amanhã'.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

23/12/2016   |
16/12/2016   |
12/12/2016   |
02/12/2016   |
25/11/2016   |
18/11/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS