Sábado, 17 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

TRIGO: Chuvas atrasam colheita e podem causar perda na qualidade do grão

21/10/2016 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
A maioria das lavouras está em fase de maturação. Neste estágio da cultura, altas precipitações são prejudiciais

O excesso de precipitações dos últimos dias têm deixado os agricultores apreensivos. Às vésperas de mais uma colheita do trigo, as chuvas fizeram as máquinas esperarem mais um pouco. O agricultor Pedro Jorge Spillari, de Três de Maio, está com a maioria da área de 120 hectares com trigo esperando para ser colhida. Caso o tempo firme, ele acredita que no fim de semana poderá iniciar a colheita. "Se o tempo estivesse firme, acredito que teria iniciado o corte do trigo ainda na quarta-feira. Agora, é esperar". Segundo ele, a expectativa inicial era de uma produtividade de 60 sacas por hectare. "Acho que vai reduzir em torno de 20% do esperado, além do produto perder qualidade. Nas áreas onde o trigo está maduro, já não passa mais por trigo bom", acrescenta.
O produtor conta que no ano passado também enfrentou problemas com a chuva na hora da colheita, e a produtividade média foi de 20 sacas por hectare, com trigo de baixa qualidade. "Minha intenção é reduzir a área plantada nos próximos anos e investir em outras culturas. O trigo é uma cultura muito arriscada."
Spillari também lamenta a falta de cotação e baixo preço para o produto. "Colhemos para vender o produto e pagar os investimentos feitos. Com o trigo sem preço, como que a gente fica? O custo de produção do trigo é muito elevado. Por isso, entendo que o preço ideal seria de R$ 45 a saca", destaca.
A cultura do trigo já havia sofrido com a queda de granizo, há duas semanas, em Três de Maio. Conforme a Emater/RS-Ascar local, o escritório teve 18 comunicações de Proagro, com perdas de 50%, em média. "Foi bastante localizado. E as lavouras atingidas apresentavam ter uma produtividade alta", diz o engenheiro agrônomo Fábio Karlec. Além disso, a maioria das empresas compradoras de trigo está sem preço para o produto e, portanto, sem comercialização para os grãos em depósito. 

Maioria das lavouras está em fase de maturação
Em Três de Maio, a colheita começou cedo. Segundo o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar local, Fábio Karlec, a região se caracteriza pela abertura da colheita do trigo. "Dos 8.500 hectares cultivados com o cereal, em torno de 25% já havia sido colhido antes das chuvas. A produtividade foi boa, com lavouras que ultrapassaram 60 sacas por hectare. Estávamos trabalhando com a expectativa inicial de uma média de 48 sacas por hectare. Contudo, a partir de agora é outro cenário. Temos aproximadamente 65% da área plantada na fase de maturação, esperando a colheita", afirma.
Conforme medição da Comanja, o mês de outubro já registrava o acumulado de 227 milímetros, até ontem pela manhã. A chuva, na fase de maturação da cultura do trigo, interfere bastante na qualidade do grão colhido, destaca Karlec. O produtor recebe, de acordo com ele, na comercialização, pela qualidade do trigo. "Conforme cai a qualidade do produto, cai o preço."
Agora, é aguardar cessar a chuva para retomar a colheita. "Tudo dependerá dos próximos dias. Dependendo da condição climática, um ou dois dias com sol e vento já possibilitam a colheita."

FOTO: JAQUELINE PERIPOLLI

Confira a matéria completa na versão impressa






Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

28/09/2018   |
27/07/2018   |
18/05/2018   |
27/04/2018   |
02/03/2018   |
14/07/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS