Quarta-feira, 28 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A macumbeira...

26/10/2012 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
Já disse e escrevi em outras oportunidades que respeitos todas as opções religiosas existentes. Acho que o ser humano tem que ter fé! Cada um ao seu modo. Se te faz bem e não prejudica ninguém, que mal tem? Afinal, o Brasil é um país que possui uma enorme liberdade religiosa, quase sem limites. É difícil imaginar quantas religiões existem hoje, em nosso país. Porém, existem coisas difíceis de tolerar. Por exemplo, pessoas que alegam ter poderes e vendem a promessa do mal...
Em outra oportunidade escrevi sobre o "Índio Milagreiro" de Getúlio Vargas, que batia nas casas dizendo ter vindo do Mato Grosso e vendia pedaços de tronco de árvore alegando ser um remédio. Quando percebia que a vítima era realmente frágil intelectualmente, pedia uma bacia com água, uma toalha e um ovo e dizia que ali enxergava que alguém havia feito o mal para aquela pessoa. Pedia então a singela quantia de R$ 2 mil para desmanchar o feitiço. Acabou preso por estelionato...
Mas o caso de hoje supera a ingenuidade e a maldade que existiam na história do "Índio Milagreiro"...
Em São Joaquim, Santa Catarina, uma mulher era conhecida como "A Macumbeira"... Provavelmente daquelas que resolve desde a perda de um amor, doenças incuráveis, conflitos financeiros e até dor de dente...
Certo dia, no ano de 2008, uma mulher grávida de quatro meses resolve procurar a macumbeira. Diz que não quer ter o filho e pede para que ela faça algum trabalho para que aconteça de forma divina o aborto. A macumbeira busca seis comprimidos e, cheia de misticismo indica como deve ser usado o medicamento sagrado. A mulher paga e vai embora com o remédio. Em casa ela toma os comprimidos e no outro dia ocorre o aborto. Ela pega o feto e joga no lixo...
Daí bateu aquele arrependimento... Por que fiz isso?
Ela então procura a polícia e conta a sua história. O delegado instrui o inquérito e envia ao Promotor de Justiça e este pede que a macumbeira seja enviada ao Júri Popular pela prática de crime doloso contra a vida. 
A macumbeira se defende e diz que não existem provas, mas a vítima apresenta testemunhas e um laudo pericial. A Justiça resolve então encaminhar a macumbeira ao Tribunal do Júri, que deve ocorrer nos próximos meses. Já a gestante conseguiu suspender o processo contra ela por dois anos. (Fonte: TJSC Recurso Criminal 2012.056378-1)
Não sei se me impressiono mais com a macumbeira ou com a gestante. Qual a pior? Aquela que compra o medicamento "sagrado" para abortar de forma divina ou a que venda a porcaria química?
Orações e velas voltadas para o bem, são louváveis em qualquer religião. Todas usam. A comunicação com O Criador sempre envolve gratidão e amor. São as chaves para abrir o diálogo com O Divino, com O Grande Arquiteto deste Universo. Já aquele que promete e promove o Mal, não está amparado por nenhuma luz, recebendo de volta tudo o que plantou...

Das minhas leituras da madrugada:
"A vida é uma longa lição sobre humildade"  James Barrie
Um ótimo fim de semana a todos...



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS