Terça-feira, 12 de dezembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1487
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Perigo de afogamento é mais crítico no verão

27/01/2017 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
É época de calor, verão... Nada melhor do que refrescar o corpo em uma piscina, mar, rios. Porém, precisamos cuidar para não acontecer afogamentos. 
Dezembro, janeiro e fevereiro são os meses em que mais pessoas morrem por causa de afogamentos. Levantamento do Ministério da Saúde indica que mais de 5,4 mil pessoas morreram afogadas ao longo destes meses. 
"É preciso identificar pontos e situações de risco para que seja feita a devida sinalização e, além disso, é preciso que as pessoas fiquem atentas para evitar tragédias", recomenda o Corpo de Bombeiros.

Dados:
- O Brasil é o terceiro país com o maior número de mortes por afogamento, atrás de Japão e Rússia;
- O Brasil tem 75% das mortes correspondentes às ocorrências de afogamentos em rios, lagos e represas;
- O afogamento é a segunda causa de morte acidental entre meninos de 5 a 14 anos. "O risco é maior em áreas onde se pratica atividades recreativas na água, mas até a piscina doméstica e a banheira podem trazer risco", alerta o médico Juan Escalante.

Informações importantes:
- As placas de 'Perigo: correnteza' são colocadas exatamente na direção das valas, em locais onde existem pedras à vista ou há a possibilidade de correnteza. Não se deve entrar no mar ou rio, nesse lugar;
- A placa de 'pedras submersas' indica que não se deve mergulhar no local;
- A placa 'banco de areia' é fixada em pontos onde há perigo para quem deseja mergulhar, pelo mesmo motivo da placa de 'pedras submersas'. Para prevenir acidentes, entre no mar, mas não mergulhe. E assim como no trânsito, existe a sinalização nas cores vermelho, amarelo e azul. A bandeira vermelha significa perigo e alto risco de afogamento. Não se deve nadar nessa parte da praia. A amarela simboliza cuidado, com risco de a maré subir e haver correnteza. Já a bandeira verde quer dizer que o banho de mar e o mergulho estão liberados;
- Além da imprudência, outro fator que contribui para o número de afogamentos é a ingestão de bebida alcoólica. Pessoas embriagadas estão propensas a ultrapassarem os limites e não percebem o risco que estão correndo;
- Ao presenciar um afogamento, não banque o herói e chame o resgate imediatamente ou pode se tornar mais uma vítima;
- Caso não haja socorro imediato, ao retirar a pessoa da água, vire-a de lado, paralela ao mar, para evitar engasgos com água ou vômito, e espere o socorro chegar ou leve a pessoa até o hospital mais próximo. Mesmo que o indivíduo esteja consciente, é imprescindível uma avaliação para que seja examinado se entrou ou não água no pulmão.

Imprudência:
- Desinformação dos banhistas;
- Abuso do álcool;
- Locais impróprios para banho;
- Não utilização de equipamentos adequados;
-  Falta de vigilância.

Cuidados redobrados com crianças e bebês:
Para prevenir acidentes com crianças e bebês, os adultos devem estar sempre próximos das crianças enquanto elas estiverem na água.  Nem mesmo por poucos segundos os bebês devem ser deixados sozinhos no banho. 

Alerta:
- Não permita que crianças entrem desacompanhadas e/ou sem supervisão de um adulto na água, seja no lago ou em outros locais, ainda que sejam piscinas infláveis;
- Não improvise boias com câmaras de ar, colchões infláveis ou outros objetos não recomendáveis para lazer em ambientes aquáticos, que transmitem uma falsa sensação de segurança;
- Se você se sentir em perigo, não entre em pânico: tente boiar e peça ajuda;
- Não abuse do álcool, ele o faz perder a noção do perigo, portanto se beber não entre na água;
- Evite entrada brusca na água após longa exposição ao sol, pois há risco de choque térmico e desmaio;
- Comer demais e entrar na água é arriscado, pode causar indigestão;
- Em caso de chuva, não permaneça na água, seja no rio, piscinas, lagos, etc, pois há risco de raios, que podem ser fatais;
- Verificando a possibilidade de forte chuva, procure manter-se em locais elevados, minimizando o risco de ser levado por enxurradas;
- Em locais de alagamento, evite deslocar-se, pois podem existir buracos que não estejam visíveis;
- Nunca simule um afogamento. Além de tirar a paz do local, você pode estar tirando o salvamento de uma pessoa que realmente precise;
- Evite brincadeiras de mau gosto, como os famosos 'caldinhos';
- Somente pessoas habilitadas devem salvar pessoas se afogando. O contrário pode causar mais vítimas.
Fonte: www.PortalBrasil.com.br
 Dados Corpo de Bombeiros




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

08/12/2017   |
01/12/2017   |
24/11/2017   |
17/11/2017   |
10/11/2017   |
03/11/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS