Quarta-feira, 28 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Amor bandido...

29/06/2012 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
Eles viveram juntos por três anos e deste relacionamento nasceu um filho. Quis o destino que os desentendimentos e a difícil convivência entre o casal resultasse na separação. Até aí tudo normal. Muitos casais se separam logo nos primeiros anos.

Porém ele não se conformava. Queria e buscava a reconciliação. Certo dia ela ligou e pediu que juntos fossem visitar alguns familiares na cidade vizinha. Ele aceitou de bom grado, já imaginando que a viagem seria uma ótima oportunidade para conversar. No carro, além do filho do casal, também um enteado dele.

Durante o trajeto ele tenta novamente a reconciliação. Ela não quer. Na volta para casa, ele insiste em reatar o relacionamento e ela, firme, mantém sua posição.

Indignado, então ele resolve acabar com tudo. Dirigindo em alta velocidade ele invade a pista contrária e bate de frente em outro veículo. Com o choque ela morre e os filhos e a motorista do outro carro ficaram feridos.

O Promotor de Justiça após apurar os fatos, percebeu que o homem agiu com intenção de matar, e pediu ao juiz que ele fosse encaminhado a júri popular por homicídio qualificado (motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima).

Em sua defesa o homem alegou que não existiam provas da vontade de matar e pediu que fosse absolvido. Como alternativa, o advogado de defesa disse ao juiz que, caso não fosse possível absolve-lo, então que o fato fosse considerado um acidente de trânsito sem intenção de matar.

Foram ouvidas as testemunhas e os policiais que atenderam a ocorrência e o enteado e a motorista do outro veículo afirmaram que o homem realmente havia invadido a pista contrária.

O juiz de São Miguel do Oeste/SC então encaminhou o homem ao júri popular.

Insatisfeito ele recorreu e nesta semana a 1ª. Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina que confirmou a decisão. Agora caberá aos jurados decidir se houve ou não intenção de matar, naquele dia em que o casal discutia e o carro invadiu a pista contrária...

Fonte: TJSC (RC n. 2012.026693-5)
Já publiquei outras vezes, neste espaço, casos semelhantes. É impressionante como este tipo de crime, chamado de passional, ocorre com frequência. Independente da cidade, do estado ou país, certas pessoas possuem um sentimento de que são donas de outras e desejam que o seu amor seja reconhecido como único e, se isso não ocorre, então atos de violência ocorrem contra a vida daquela pessoa. Por isso é preciso conhecer bem alguém, antes de iniciar um relacionamento...

Das minhas leituras da madrugada:
"O que termina um relacionamento não é a falta de amor, mas a falta de amizade" - Friedrisch Nietzsche



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS