Segunda-feira, 26 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Programa Família Acolhedora

30/11/2012 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
Boas ações devem ser valorizadas. Devem ser comentadas. A sociedade muda, quando mudamos. O bom exemplo é aquele que deve ser seguido, e elogiado.
Em Santo Ângelo, o juiz da Infância e Juventude Dr. Luis Carlos Rosa reativou um projeto adormecido da Comarca, chamado "Família Acolhedora", e vale aqui o registro desta belíssima ação do judiciário em relação à sociedade.
As famílias interessadas em ajudar, cadastram-se no Foro de Santo Ângelo e, se aprovadas, poderão receber em suas casas, por um determinado período, crianças e adolescentes que necessitam de proteção. É uma nova alternativa em relação aos atuais abrigos de menores.
Com as dificuldades que o município enfrentava para conseguir vagas em abrigos para estes jovens, reuniu-se uma rede de proteção e apoio e, conversando com os poderes Legislativo e Executivo, idealizaram um projeto de lei, que foi aprovado.

Funciona da seguinte forma:
Famílias interessadas em receber em suas casas crianças e adolescentes procuram o foro local e realizam um cadastro. Psicólogas e assistentes sociais judiciárias então avaliam o perfil dos candidatos. O parecer é encaminhado ao Ministério Público local, para análise e concordância. Por fim, ocorre uma audiência no juízo da Infância e Juventude com os candidatos. Dez famílias já encaminharam a documentação. Uma já está habilitada a receber uma criança.
A criança acolhida na nova casa, receberá acompanhamento de assistentes sociais e pedagogos do município que farão a preparação deles para retornarem às suas famílias biológicas ou, se for o caso, sejam encaminhadas para adoção. O município remunera cada família acolhedora com um salário mínimo. 
Em princípio, cada família recebe um acolhido, mas o caso de irmãos será estudado.
Nas sábias palavras do magistrado Dr. Luis Carlos Rosa: "A família acolhedora vai fazer as vezes do que hoje existe no abrigo. A diferença é que o tratamento a relação dada às crianças e adolescentes, é individualizado. Elas terão o carinho, o amparo e o afeto de uma família de verdade".
Realmente é uma atitude muito linda. Como é bonito quando os três poderes, Judiciário, Legislativo e Executivo, juntos tomam medidas em favor da comunidade. Quem conhece abrigos de menores, sabe que são enormes as dificuldades enfrentadas por aqueles que administram. Essa atitude vem somar ao sentimento de solidariedade que todos nós temos, mesmo que em alguns adormecidos. Se cada um conseguir ajudar, mesmo que pouco, juntos construiremos uma sociedade mais justa. Parabéns ao juiz Dr. Luis Carlos Rosa, por reativar o projeto e envolver mais órgãos e poderes na empreitada. A sociedade agradece!

Das minhas leituras da madrugada:
Educai a criança, e não precisarás punir o adulto...
Um ótimo fim de semana a todos...



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS