Quarta-feira, 18 de setembro de 2019
Ano XXXI - Edição 1575
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Em um ano, 4,2 milhões de litros de esgoto foram devolvidos à natureza como água tratada

07/06/2019 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
O Centro de Tratamento de Resíduos (Cetres) se instalou em Três de Maio há um ano, para atender ao município e à região. Com capacidade para tratar 1,250 milhão de litros de efluentes mensais, a empresa atualmente trata em média 350 mil litros/mês. Operando com apenas 30% de sua capacidade, o negócio poderá se tornar inviável, caso os números não mudem.
Para o sócio-proprietário Marcelo Tomasi, são necessários uma conscientização e o engajamento de todos, população e poder público, de todos os municípios da região, para que o esgoto tenha seu destino correto, uma vez que milhares de litros são despejados diariamente na rede pluvial, o que é proibido por lei.

Cetres: em um ano, mais de 4,2 milhões de litros de esgoto devolvidos à natureza como água tratada

Operando com apenas 30% de sua capacidade, negócio pode se tornar inviável, caso os números não mudem. Para sócio-proprietário, são necessários uma conscientização e o engajamento de todos para que o esgoto tenha seu destino correto. Empresa três-maiense é a única do ramo na região

Ao longo do seu primeiro ano de atividades, a empresa Cetres (Centro de Tratamento de Resíduos) devolveu à natureza, como água tratada, aproximadamente 4,2 milhões de litros de esgoto, oriundo de residências e empresas.
Localizada em Três de Maio, a empresa atende à região, já tendo recebido resíduos também de Santa Rosa, Horizontina e Independência, e completou seu primeiro ano na mesma semana em que é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho.
De acordo com o IBGE, uma pessoa consome entre 150 e 200 litros de água por dia. Grande parte desta água se transforma em esgoto, que deveria ir para fossas subterrâneas, as quais, por sua vez, de tempos em tempos, precisam encaminhar os dejetos para uma estação de tratamento.
Quando lançada in natura nos rios, esta água suja pode provocar doenças como hepatite A, leptospirose, giardíase, diarreia, ascaridíase (popularmente conhecida como lombriga), cólera e febre tifoide, bem como diversas doenças de pele. Além disso, pode provocar a morte dos peixes, já que, para se decompor, retira o oxigênio da água.
O processo de 
tratamento
Única empresa do ramo na região, o Cetres surgiu como alternativa ambientalmente correta para o tratamento dos efluentes oriundos das fossas sépticas, reduzindo a carga orgânica e os deixando dentro dos parâmetros exigidos pela Fepam antes de retornarem para meio ambiente.
O sócio-proprietário Marcelo Tomasi explica que a empresa não adiciona produtos químicos poluidores no processo de tratamento, apenas um produto orgânico, e, no final, adiciona cloro, mesmo produto adicionado na água potável e nas piscinas.
"O esgoto que recebemos passa por um processo de tratamento até ser devolvido à natureza sem nenhum prejuízo. É um trabalho gratificante, mas cada um precisa ter consciência e fazer a sua parte", destaca Marcelo.
Apesar de toda a importância da empresa na preservação do meio ambiente, Marcelo conta que ela está operando com apenas 30% da sua capacidade total, e que a atividade está se tornando economicamente inviável.
"Falta a conscientização da população para que estes números mudem. É preciso o engajamento de todos, população e poder público, para que o esgoto pare de ser descartado de forma incorreta, inclusive em bueiros", lamenta o empresário, ressaltando que, com a situação atual permanecendo, ficará difícil para a estação continuar em atividade.

Segundo o IBGE, uma pessoa consome entre 150 e 200 litros de água por dia; grande parte desta água se transforma em esgoto

Legislação proíbe lançamento de esgoto na rede pluvial
Apesar do trabalho fundamental desenvolvido pela empresa, é comum ainda ver esgotos lançados nos bueiros nas avenidas, seguindo diretamente para os rios. A lei municipal 2.690/12, em seu artigo 27, proíbe o lançamento de esgoto na rede pluvial.
O parágrafo único do artigo estabelece que, "quando não existir a rede coletora de esgotos, as medidas adequadas, sem prejuízo das de outros órgãos, ficam sujeitas à aprovação do órgão ambiental municipal de Três de Maio, que fiscalizará a sua execução e manutenção, sendo vedado o lançamento de esgoto in natura a céu aberto, ou na rede pluvial".

Os números da estação - Cetres
- Está operando, em média, com 30% da sua capacidade
- Em 12 meses, foram tratados cerca de 4,2 milhões de litros de efluentes
- São tratados em média 350 mil litros por mês (sendo que pode ser tratado 1,250 milhão de litros de efluentes)




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

13/09/2019   |
13/09/2019   |
13/09/2019   |
13/09/2019   |
09/09/2019   |
06/09/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS