Quarta-feira, 16 de janeiro de 2019
Ano XXX - Edição 1539
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

A Coluna do J

15/02/2013 - Por J Moraes
Tweet Compartilhar
EM DOSES homeopáticas a chuva está voltando. O prejuízo principalmente na lavoura de soja ainda é suportável. Na esteira da falta de chuva, outros problemas sugiram na cultura, dizem os técnicos e produtores. Menos mal que a tendência é normalizar.
MUNICÍPIO de Tucunduva se prepara para novas eleições. Certamente em razão desse transtorno em relação às últimas eleições, a comunidade está perdendo. Mas não adianta chorar pelo leite derramado. A comunidade precisa escolher um bom prefeito para recuperar o tempo perdido.
DECIDIDAMENTE, a agricultura é uma atividade de alto risco. Tudo vinha muito bem. Era projetada uma safra histórica. De repente, três semanas de pouca ou quase nenhuma chuva, a expectativa despenca.
SETREM não para. Ontem à noite, aconteceu a solenidade de lançamento do novo prédio do complexo da Unidade de Educação Infantil da instituição. Educação integral, desde a Educação Infantil até o Ensino Superior. Um orgulho para a região.
PASSADO o Carnaval, é interessante que Executivos e Legislativos definam suas agendas para este ano, priorizando o que realmente interessa. Os focos devem ser os problemas que afligem a população e que são muitos. Os dois poderes devem trabalhar unidos em busca de soluções. Bate bocas infrutíferos devem ser repudiados.
NINGUÉM me tira da cabeça que o principal motivo pelo número cada vez maior de acidentes de trânsito, é o aumento desenfreado de veículos nas estradas. Aí, entra a chamada lei das probabilidades. Quanto mais veículos, mais chances de acidentes. É um caminho sem volta, infelizmente.
CARNAVAL deste ano foi um do menos animados dos último tempo. Não poderia ser diferente. A tragédia de Santa Maria tirou muitos foliões dos salões. A ferida está aberta e vai demorar muito tempo para cicatrizar.
VAPT VUPT - Decididamente, não é a Lei Seca que vai diminuir os acidentes. Sai Bento entra quem? A grande indagação. Baladeiros dizem - agora a primeira coisa que faço ao chegar em uma boate é localizar a porta de saída. Cada político que viesse a região deveria ser obrigado andar nos cerca de 10 quilômetros da ERS 305 Horizontina/Cascata. Quem se habilita a seguir o exemplo? As vaquinhas continuam salvando a lavoura. Saúde é um problema nacional, quem quiser localizá-lo é mal intencionado.
BOM FINAL DE SEMANA.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

23/12/2016   |
16/12/2016   |
12/12/2016   |
02/12/2016   |
25/11/2016   |
18/11/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS