Sábado, 29 de abril de 2017
Ano XXIX - Edição 1454
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Homem é morto após invadir casa

26/03/2013 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Um homem acabou morrendo depois de invadir uma residência em São José do Inhacorá, na manhã de segunda-feira, 18. Verni Carlos Gaklik, de 45 anos, levou pelo menos quatro tiros à queima roupa. Gaklik estava armado e entrou na residência do casal Itamar Ludwig, 30 anos, e Anelise Wink, 31, por volta das 6h. O casal estava dormindo e acordou ao perceber a presença do homem na residência. Conforme a polícia, Itamar e Verni entraram em confronto corporal. Itamar ficou ferido e Anelise conseguiu tirar a arma de Verni e efetuou pelo menos quatro disparos contra ele, à queima roupa. Verni Gaklik morreu no local.

A hipótese do advogado do casal, Juarez Antonio da Silva, e até da polícia, é que Verni estaria inconformado com a separação e estaria disposto a cometer um crime contra Anelise e Itamar. Conforme o delegado João Vittório Barbato, foram apreendidos com Verni duas facas, um canivete, uma lanterna, um par de luvas e uma manga de camiseta usada para encobrir o rosto e um revólver calibre 32.

Conforme Juarez da Silva, Verni e Anelise tiveram um relacionamento enquanto ela esteve separa de Itamar. Anelise rompeu o namoro, pois Verni a maltratava, sendo que ele esteve enquadrado em pelo menos três ocorrências da Lei Maria da Penha. O casal então encerrou o namoro. Verni teve que manter uma distância de 200 metros de Anelise.

Depois disso, Anelise e Itamar reataram o relacionamento. Anelise é psicóloga e trabalha na Unijuí, campus Santa Rosa. Itamar tem uma agropecuária em São José do Inhacorá. O casal residia durante a semana em Santa Rosa e, nos finais de semana, em São José do Inhacorá.

O delegado Barbato deve indiciar Anelise por homicídio e o companheiro dela pela co-autoria do crime. No entanto, não vai pedir a prisão preventiva da mulher por ela ser ré primária e porque agiu em legítima defesa, esclareceu.

Segundo o advogado, Anelise agiu em legítima defesa, pois tentou defender sua família. O filho do casal, de cinco anos, também presenciou toda a cena de violência.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

13/04/2017   |
17/03/2017   |
10/02/2017   |
16/08/2016   |
05/08/2016   |
05/08/2016   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS