Segunda-feira, 26 de junho de 2017
Ano XXIX - Edição 1462
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Quando algo começa a mudar...

08/04/2013 - Por Marcos Salomão
Tweet Compartilhar
Escrevi outro dia em uma rede social:
"Impressionante como depois dos 40 algumas dores aparecem, como, por exemplo, nas costas..."  
E uma amiga logo postou abaixo: "Te prepara para os cinquenta".
Outro amigo então escreveu: "Salomão, os quarenta são a velhice da juventude e os cinquenta são a juventude da velhice". 
Tá bom... e entre os 40 e os 50 é o que? 
Ninguém me respondeu...
Outro dia um amigo fez 49 anos. Eu imaginava que ele tinha uns 42, no máximo 44. Fiquei impressionado. Depois dos 40, você não percebe mais a diferença de cada ano. Ter 41 ou 49 é uma imagem só. Você tem mais de 40 e menos de 50. É isso!
Entre os 40 e os 50 parece que existe um abismo...
Os adolescentes aguardam os seus 18 anos ansiosamente. Querem ser independentes e acreditam que a idade lhes proporcionará isso.
O jovem aguarda a chegada dos 25, o número é bonito e passa uma impressão de maturidade. Está perto dos 30, um número novo.
O homem aguarda os 30 e sente-se jovem (e realmente é) e aos 33 ele ouve "Ah, é a idade de Cristo", como se fosse um sinal de maturidade.
Dali para frente ele visualiza a proximidade dos 40 e diz:
"Se dizem que a vida do homem começa aos 40, ainda tenho tempo para começar a viver, sou muito jovem. Tem muito chão pela frente"
Chegam os 40 e então ele sente a meia vida, o meio do caminho, percebe que o tempo passou e que algumas decisões tomadas até aqui determinarão os próximos anos ou décadas. Certas coisas são difíceis de recomeçar, agora você tem que ajustar e seguir em frente.
Percebe o que já viveu, observa o quanto errou e descobre que ainda vai errar muito...
E quando encontra alguém com mais de 50, 60 ou até 70, com filhos criados, formados e até netos, percebe o quanto é novo e o quanto ainda vai viver. Percebe que ainda vai sentir coisas que desconhece e percebe que a vida é uma repetição, onde você é um ator em um palco montado pelos próprios episódios que já viveu.
Neste momento, percebe ainda a existência do seu espírito jovem e sonhador. É ele que te movimentará em direção ao futuro, é ele que lhe guiará para as próximas decisões, é ele que lhe mostrará quais os caminhos são mais corretos e próximos do que você já viveu e que não lhe trarão consequências delicadas.
Percebe que tem, também, uma idade mental, e que esta idade mental vale muito mais que a idade física do corpo. 
A idade mental é aquela que você sente quando seus pensamentos se libertam. É a idade que se vive, mesmo que com algumas dores, com algumas marcas ou cicatrizes. A vida não lhe escolherá um momento certo para lhe dizer que você é novo ou velho. É você que decide isso, é você que sente isso. Aliás, nunca envelheceremos, na verdade, seremos apenas mais experientes...



Das minhas leituras da madrugada:
"Não envelheça. Torne-se um clássico..."





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/04/2015   |
13/04/2015   |
13/04/2015   |
27/03/2015   |
20/03/2015   |
13/03/2015   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS